A final da Supertaça disputada entre Benfica e Sporting despertou, uma vez mais, a pior faceta dos adeptos portugueses. E aqui falo de todos sem exceção, sem excluir qualquer clube, do maior ao mais pequeno.

Não raras vezes assistimos a bancadas inglesas a tributarem, de pé, um sonoro aplauso aos visitantes que derrotam as suas equipas do coração. Não consigo gostar, na plenitude, desses gestos, pois soam-me a um défice de exigência. Mas respeito e admiro quem o faça, desde que com sinceridade.

Contudo, em Portugal os adeptos são mesmo do pior que há – não podemos ter medo das palavras. Aqueles que defendiam Jorge Jesus quando ele batia num policia, mostrava quatro dedos a Manuel Machado ou fazia o “gesto dos oculinhos” a Tim Sherwood, ao ritmo de uma dança indecifrável, são os mesmos que hoje o criticam por ter dado uma “palmada” a Jonas ou mostrado o ‘V’ de vitória ao banco do Benfica ou, simplesmente, por ter ficado a ver de braços cruzados à entrega das medalhas aos seus antigo pupilos.

Do outro lado da “barricada”, os que hoje elogiam Jesus e relativizam qualquer gravidade ou má intenção às suas idiossincrasias, sao os mesmos que, durante seis anos, não podiam nem ver Jorge Jesus porque ele era tudo e mais alguma coisa. De mau, claro está.

Rui Vitória, que na minha opinião foi um erro de casting de Luís Filipe Vieira, foi contratado para manter a onda vitoriosa e potenciar jovens do Seixal na equipa principal. A este plano é preciso dar tempo, porque os paradigmas não se alteram num fósforo. Mas por muito que considere que Rui Vitória não é o homem indicado para o cargo que ocupa, precisa de tempo e, por isso mesmo, não é normal ver os adeptos do Benfica criticarem o treinador quando, nos últimos ano,s se queixavam de ausências de portugueses na equipa e das saídas de Bernardo Silva e André Gomes, entre outros.

Estes são apenas exemplos dos maus adeptos que temos. Porque aqueles que exigem títulos, ligando pouco e nada à formação, não se cansam de criticar quando a seleção nacional é eliminada em Europeus e Mundiais.

Alargando o âmbito, alguém quer saber das condições em que trabalham os atletas olímpicos portugueses durante quatro anos? Ninguém, mas a grande maioria não perdoa os gastos em Olimpíadas quando as medalhas não aparecem.

Em resumo, os portugueses são, na generalidade, maus adeptos; não gostam de desporto, gostam sim de ganhar, a qualquer custo. E isto é triste e exemplos não faltam e estes são apenas os mais recentes, de um longo histórico que marca a nossa cultura desportiva. Ou falta dela.

PS 1 – Dizer que o Benfica vai jogar em posse com Rui Vitória é uma notícia e das grandes. Qual foi o jogo (mostrem-me por favor, que tenho interesse em ver) do Vitória de Guimarães em que os minhotos jogaram em posse no consulado do atual treinador encarnado?

PS 2 – Rui Vitória disse, após a derrota, que Mitroglou com dois treinos não podia resolver nada. Então, por que razão o colocou em campo?

PS 3 – Jorge Jesus continua igual a si próprio. Convinha que, de vez em quand,o falasse na primeira pessoa do plural. Nem que fosse só para nos surpreender