O SL Benfica regressou às vitórias na Liga NOS, na visita sempre complicada ao terreno do FC Paços de Ferreira, por 3-1. Mas este não foi um triunfo fácil para a equipa de Rui Vitória, perante a boa réplica dos “castores”, que reagiram ao primeiro tento da partida e chegaram a empatar 1-1. No entanto a boa eficácia benfiquista na altura do remate acabou por ser decisiva. E até deu para o sueco Lindelöf estrear-se a marcar de águia ao peito e deixar uma marca na “capitão do móvel”. Mas deixemo-nos de trocadilhos com a indústria do mobiliário.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 23 - Paços de Ferreira vs Benfica
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Sem o lesionado Nico Gaitán, a escolha para o lugar do argentino recaiu em Carcela-González. O extremo não brilhou mas teve papel preponderante, ao fazer, aos 13 minutos, a assistência para o 1-0, da autoria de Mitroglou (13 golos, sétimo jogo consecutivo a marcar). Um tento que aconteceu no primeiro remate da partida. O terceiro, primeiro do Paços de Ferreira, também deu em golo (e que golo!), de Diogo Jota (23′), e o nó só se desatou de penalty, nos descontos da primeira parte, por Jonas.  Lindelöf fez o 3-1 aos 57 minutos, a emendar à boca da baliza.

Esta foi a história dos golos. A dos números é mais complexa, mas a mais importante foi, como já referimos, a dos remates. As “águias” fizeram três golos em nove disparos, cinco deles enquadrados, o Paços fez um em quatro tiros, 2 deles à baliza. De notar ainda que os “encarnados” remataram seis vezes de dentro da área contrária, enquanto o Paços nunca o conseguiu fazer, realizando a totalidade os disparos de longe – mérito benfiquista. Esta competência esteve na base dos quatro golos apontados, porque de resto nem os passes para ocasião reflectem o resultado final. Os da casa registaram somente quatro, os lisboetas apenas seis. Se estes valores se espelhassem no resultado, não espantaria um nulo.

Lindelöf a crescer

O sueco Lindelöf pode até nem ter começado muito bem, desde que foi chamado para substituir o lesionado Lisandro López. Mas aos poucos o defesa começa a mostrar credenciais e, acima de tudo, confiança. Na vitória benfiquista em Paços de Ferreira, Lindelöf foi o mais valioso em campo, com 6.8 no GoalPoint Ratings – 6.79 para ser mais exacto, já explicamos a seguir o rigor. Para além do golo, o sueco foi o segundo em campo com mais remates, dois (empatado com Diogo Jota… já lá vamos), apenas superado por Kostas Mitroglou (quatro), ganhou quatro de seis duelos, fez dois desarmes, duas intercepções e realizou cinco alívios. No Benfica, destaque ainda para o 6.6 que a dupla de atacantes, constituída por Jonas e Mitroglou, somou no GoalPoint Ratings.

O segundo melhor em campo foi Diogo Jota. Segundo melhor porque perdeu apenas por duas décimas para Lindelöf no nosso Rating (6.77 para os tais 6.79 do sueco). Mas não deixa de merecer um grande destaque. Em primeiro lugar pelo golo de antologia que marcou, mas também por tudo o que deixou em campo: dois remates, ambos enquadrados, sete duelos ganhos em 16, nove recuperações de bola e muito futebol.

Fantasy League RealFevr GoalPoint

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS