Porto 2 – Braga 1: “Dragão” vence dura batalha

Um Porto com boa posse de bola mas que se viu perante um jogo complicado, onde os bracarenses também tentaram tudo para chegar à vitória.

Já vai sendo habitual encontrar o argelino Brahimi entre os maiores destaques nas partidas dos "dragões" (foto: J. Trindade Infografia: GoalPoint)
Já vai sendo habitual encontrar o argelino Brahimi entre os maiores destaques nas partidas dos “dragões” (foto: J. Trindade Infografia: GoalPoint)

O FC Porto surgiu nesta partida com uma alteração táctica bastante significativa em relação ao jogo com o Sporting na Liga, que foi o posicionamento de Marcano como “trinco” (algo que já tinha acontecido ante o Shakhtar Donetsk, na Liga dos Campeões). Os “dragões” privilegiaram bastante a posse de bola e garantiram o triunfo por 2-1 após luta renhida de 90 minutos com os “arsenalistas”.

Para a equipa de Lopetegui, a manutenção da bola foi o princípio base do momento ofensivo. Neste aspecto destacou-se Óliver Torres, com 66 passes efectuados, sendo que 39 deles foram feitos no meio-campo ofensivo “azul-e-branco”. O espanhol mostrou ser o grande motor deste Porto de 2014. Um jogador inteligente que sabe sempre qual o posicionamento correcto e que procura gerir bem o tempo e ritmo do jogo. É, sem dúvida, a grande pedra basilar desta dinâmica que Lopetegui tenta incutir nos “dragões”.

Tello, no lado esquerdo, conferiu uma velocidade bastante alta ao corredor, pois trata-se do típico extremo que vai à linha e que dá muita verticalidade ao jogo. Fez 26 passes, nove cruzamentos, quatro deles com eficácia. Brahimi continua a ser um jogador muito forte no último terço do terreno, e cada mudança de velocidade em drible deixa os adversários completamente desorientados – fez 32 passes mas apenas um cruzamento.

Jackson Martínez lutou bastante no meio dos centrais bracarenses, de um total de 12 duelos aéreos ganhou 58,3% e arrancou ainda duas faltas. Dos restantes duelos ganhou 81,3% em 16. Foi ainda um jogador que apareceu bem a segurar a bola e a combinar com colegas, e fez 33 passes, com um sucesso de 66,7%.

Na defesa, Alex Sandro esteve muito forte, procurando sempre ajudar na recuperação de bola. Efectuou um total de cinco desarmes, um alívio e oito intercepções. Do lado oposto, Danilo fez seis desarmes, quatro intercepções e ganhou ainda a posse da bola de seis vezes.
Óliver demonstrou também toda a sua versatilidade, com oito recuperações de bola e perdendo a posse da mesma apenas sete vezes. Rúben Neves apareceu bem no jogo, dando equilíbrio ao Porto e uma capacidade maior nas transições, fez quatro desarmes e recuperou a posse da bola quatro vezes.

Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (infografia: GoalPoint)

Alex Sandro e Brahimi em alta rotação

Alex Sandro e Brahimi foram as duas estrelas mais cintilantes deste Porto, com o argelino a fazer uma assistência e o primeiro a fazer um jogo muito competente e regular. Foram dois jogadores que muito contribuíram para esta vitória portista, pois tiveram sempre muito presentes nas diversas fases do jogo. Brahimi recuperou a bola quatro vezes e perdeu a posse em 13 ocasiões. Dos 11 duelos de ambos, o extremo ganhou 64,6% deles e o brasileiro foi superior em 72,7%.

Brahimi foi ainda o elemento mais rematador, com quatro tiros à baliza adversária, e criou ainda três chances para golo (o mesmo número que Alex Sandro). Quintero, com um golo marcado e uma oportunidade de golo criada, foi um elemento de mudança e muito importante também para esta vitória. Um jogador de elevada qualidade técnica e dinâmica que abanou bastante o jogo para benefício de Lopetegui.

Os “dragões” fizeram 16 remates, sendo que seis foram à baliza (11 aconteceram dentro da grande área), fizeram 12 faltas e ganharam 56,3% dos duelos. Tiveram uns expressivos 594 passes efectuados com uma eficácia de 83,5% e uma posse de bola total de 71,3%. O Braga, por sua vez, fez 12 remates, quatro deles à baliza, teve 18 faltas cometidas, ganhou 43,7% dos duelos com os adversários e fez apenas 229 passes, com um acerto de 64,2%.