O FC Porto não quis ficar atrás do SL Benfica e também venceu em casa por 2-0, neste caso ante o V. Setúbal. Mas apesar do intenso domínio, apenas no segundo tempo os “azuis-e-brancos” conseguiram chegar ao golo.

A continuidade da aposta em Evandro foi a grande novidade que Julen Lopetegui apresentou para a partida, ao lado de Rúben Neves, que voltou a ser o capitão. De resto, Cristian Tello, após boas exibições em jogos anteriores, voltou a merecer a confiança e a titularidade, para atacar um V. Setúbal que começou bem, mas cedo se viu que teria de optar por uma atitude mais conservadora.

DESPERDÍCIO TOTAL

Se aos 20 minutos as duas equipas somavam dois remates cada (todos para fora), os 79,5% de posse por parte do Porto antevia um domínio que acabaria também ele por se traduzir no ataque.

O recuo sadino permitiu que, a partir de meio da primeira parte, o Porto acumulasse mais 11 remates aos dois que tinha conseguido até aí (e oito cantos), mas apesar de dez terem sido realizados dentro da área contrária, a verdade é que a pontaria portista ficou-se pelos três remates enquadrados, facto que justifica, por si só, o nulo ao intervalo.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: FINALMENTE O GOLO