O FC Porto regressou à vitórias no campeonato ao bater em casa o Boavista por 3-1, com dois golos de André Silva, na primeira parte, e um tento a meias entre Alex Telles e Aghayev, já ao cair do pano, dando a volta ao resultado, depois de o Boavista ter inaugurado o marcador aos instantes iniciais.

Correr atrás do prejuízo

Ainda pouco a bola havia rolado no Dragão e já se festejava golo nas bancadas. Nuno Henrique, aos quatro minutos, correspondeu da melhor forma a um livre batido por Fábio Espinho, batendo Casillas com um cabeceamento bem colocado. O FC Porto reagiu bem ao golo e partiu “para cima” do adversário, passando a jogar exclusivamente no meio-campo adversário. Foi neste período de intensa pressão que surgiu o golo dos da casa, apontado por André Silva, que, na cara de Aghayev, só teve de encostar para o fundo da baliza.

A partir deste momento, o controlo pertenceu ao FC Porto, que, à passagem da meia-hora de jogo, tinha uma percentagem de posse de bola superior a 85%. Encostado às cordas e a tremer sempre que o adversário chegava perto da sua baliza, o Boavista acabou por cometer grande penalidade já perto do intervalo, depois de Otávio ter habilmente descoberto na área espaço onde ele não havia. Chamado a cobrar, André Silva rematou colocado para dar a vantagem aos “dragões”.

Ao intervalo, era clara a superioridade do FC Porto, que dominava todos os principais indicadores (à excepção do número de faltas cometidas). André Silva era o melhor em campo no GoalPoint Ratings, com 6.9, seguido de Otávio, com 6.0, devido ao seu envolvimento em ambos os golos. Logo atrás surgia Danilo Pereira, uma autêntica âncora no meio-campo portista: 51 passes (mais do que qualquer colega de equipa), eficácia de passe de 96%, nove duelos e ainda uma percentagem de duelos aéreos ganhos de 100%, o que lhe valia uma nota de 5.9.

Um brinde para acalmar

A segunda parte começou a um ritmo lento. Tão lento que, aos 70 minutos, só o Boavista tinha feito remates (dois, um deles enquadrado). Na tentativa de “espicaçar” o ataque, e numa altura em que o Boavista começava a acreditar na reviravolta, Nuno Espírito Santo lançou Diogo Jota e Herrera, e o médio português não demorou a testar o guarda-redes axadrezado.

Já perto do final do desafio, Aghayev deu nas vistas pelos piores motivos ao dar um “frango” monumental, não conseguindo agarrar a bola depois de um cruzamento aparentemente inofensivo de Alex Telles. O guardião axadrezado acabaria por redimir-se momentos depois ao parar um remate forte do mesmo defesa portista. Os números finais premeiam o FC Porto, a equipa que mais (e melhor) atacou, mas deixam claro que o Boavista não se limitou a defender, tendo até sido a equipa mais esclarecida durante os primeiros 25 minutos da segunda parte.

O polvo português

No final dos 90 minutos, dois jogadores do FC Porto surgiram destacados no GoalPoint Ratings, com nota de 7.5: Danilo e Alex Telles. Seria, no entanto, injusto colocá-los no mesmo patamar, uma vez que a nota do defesa brasileiro surge inflacionada por um golo fortuito. Danilo, por sua vez, rubricou uma exibição praticamente irrepreensível, com nove acções defensivas, 13 recuperações de bola e uma percentagem de duelos aéreos ganhos de 100%. Números que fazem inveja e trazem à memória as boas exibições do “polvo” Fernando.

Para além do golo apontado, Alex Telles destacou-se ainda pelo seu papel nas manobras ofensivas portistas, com um total de dois remates (ambos enquadrados) e ainda dois passes para ocasião.

Outros números:

  • André Silva 6.9 – Ao contrário de outros jogos foi eficaz a 100%, marcando nos seus únicos 2 remates. Também nos dribles completou as suas duas tentativas.
  • Marcano 6.2 – Imponente no jogo aéreo, venceu 6 dos seus 7 duelos aéreos pelo ar, mostrando que nem só Boly é forte nesse aspecto.
  • Henrique 5.9 – É certo que cometeu a grande penalidade, mas marcou o golo que inaugurou o marcador e registou um total de 18 acções defensivas. Impressionante.
  • Brahimi 5.7 –  Entrou, jogou 10 minutos e foi a tempo de ser o maior criador de ocasiões do FC Porto. Para além disso não falhou nenhum passe e completou as suas duas tentativas de drible.
GoalPoint | Porto vs Boavista | Liga NOS 2016/17 | 45m
Clique para ampliar
GoalPoint | Porto vs Boavista | Liga NOS 2016/17 | MVP
Clique para ampliar
GoalPoint | Porto vs Boavista | Liga NOS 2016/17 | 45m
Clique para ampliar
GoalPoint | Porto vs Boavista | Liga NOS 2016/17 | 90m
Clique para ampliar