Alex Telles contra o Belenenses e Ricardo Pereira frente ao Aves. Os dois laterais do FC Porto foram também os melhores em campo nos últimos dois jogos da equipa, algo que, por si só, já seria um evento muito raro.

Na derrota em Belém, o brasileiro bateu mesmo o recorde de passes para finalização (oito) num jogo da Liga NOS esta época, enquanto na vitória sobre o Desportivo das Aves, o português conseguiu igualar o melhor registo de dribles eficazes num jogo (sete) por um lateral, sofrendo ainda a grande penalidade que viria a dar origem ao golo de… Alex Telles.

Mas estes não são sequer registos surpreendentes. Alex Telles, por exemplo, já soma quatro prémios MVP na Liga NOS, dez presenças em “onzes” da jornada (só Jonas tem mais) e é, também a par de Jonas, o único a ser eleito cinco vezes para “onzes” mensais. Ricardo está sob o signo do três em cada uma das rubricas, mas tem médias de desempenho não menos interessantes. Se considerarmos como amostra os 227 laterais com pelo menos 1260 minutos de utilização nos cinco principais campeonatos europeus e Liga NOS, estes são os números e respectivos lugares nos rankings de variáveis importantes para a posição.

Ricardo PereiraAlex Telles
Assistências0,14 (#52)0,45 (#1)
Ocasiões flagrantes criadas0,51 (#3)0,58 (#2)
Passes para finalização1,3 (#31)3,3 (#1)
Cruzamentos eficazes0,7 (#77)1,4 (#3)
Dribles eficazes1,8 (#15)0,9 (#100)
Dribles eficazes (último terço)1,07 (#6)0,45 (#68)
Desarmes3,4 (#13)2,2 (#97)
Eficácia de desarme82% (#31)77% (#76)
Intercepções2,0 (#46)2,2 (#23)
Golos sofridos0,65 (#16)0,49 (#6)

Médias por cada 90 minutos jogados (Fonte: GoalPoint / Opta)

Enquanto Ricardo Pereira é dos melhores da Europa nos duelos individuais, tanto ofensivos (no drible), como defensivos (ao evitar ser driblado), Alex Telles é mestre nas criação de oportunidades e na maneira como utiliza a sua velocidade e leitura de jogo para interceptar passes dos adversários. Em comum, o facto de estarem no “top 3” dos que mais ocasiões flagrantes criam, e no “top 20” entre os que menos golos encaixam a cada 90 minutos.

Ainda que tendo em conta as desigualdades competitivas entre os vários campeonatos, resulta tudo isto em algo extraordinário: ambos lideram, por boa margem, o Top GoalPoint Ratings da sua posição a nível europeu.

Basta ver os nomes dos craques que os rodeiam para se perceber a proeza. Mesmo aplicando os coeficientes de dificuldade por competição que habitualmente usamos na nossa Pepita de Ouro™, Ricardo Pereira baixaria para os 6.16 e Dani Alves para 5.99, enquanto nos laterais-esquerdos, Alex Telles ficaria com 6.37 e Kolarov com 6.30.

Com 24 e 25 anos, respectivamente, Ricardo Pereira e Alex Telles já se encontram, indubitavelmente, entre os melhores da sua posição a nível mundial, sem que lhes falte margem para ainda evoluir noutros patamares. Dois “luxos” que o FC Porto tem nas suas fileiras, mas que, curiosamente, não têm lugar garantido no Mundial 2018.

Se no caso do Brasil se compreende, pois Filipe Luís, Marcelo e Alex Sandro não são concorrência fácil, seria extremamente lesivo para a selecção portuguesa deixar Ricardo Pereira em casa, mais uma vez, apresentando o lateral um rendimento a este nível. Ainda estava ele emprestado ao Nice e já defendíamos como justa a sua chamada para o Euro 2016, mas agora não há desculpa. Ricardo “passeia-se” todos os fins-de-semana pelos nossos televisores, jogou a Liga dos Campeões em bom nível e nada nem ninguém lhe deveria “roubar” um lugar que é seu, por elementar justiça.

Seja qual for a convocatória, uma coisa é certa: há muitos milhões a caminho dos cofres do FC Porto num futuro breve, e estes são nomes que vamos ouvir durante muito tempo associados a grandes palcos. Podem anotar.