GoalPoint-Porto-Galatasaray-Champions-League-201819-Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint-Porto-Galatasaray-Champions-League-201819-MVP
Clique para ampliar
GoalPoint-Porto-Galatasaray-Champions-League-201819-90m
Clique para ampliar

O FC Porto conquistou a primeira vitória na edição 18/19 da Liga dos Campeões, diante do Galatasaray. Os “dragões” venceram por 1-0, golo de Moussa Marega no início do segundo tempo, dando expressão à superioridade lusa durante todo o encontro – apesar de os turcos terem sido perigosos, em especial na primeira parte. O domínio portista, aliado à qualidade no passe e à falta dela por parte do “Gala”, não deixam dúvidas quanto à justiça do resultado.

O Jogo explicado em Números 📊

  • Jogo muito competitivo no primeiro quarto-de-hora, com lances de parada e resposta e a ideia de que o Galatasaray não estava no Dragão apenas para ver jogar. Por esta altura o Porto tinha mais bola (61%), mas os turcos mais um remate (3-2), o único enquadrado e três cantos, conta um do Porto.

  • Por volta dos 25 minutos o Porto registava apenas três acções com bola dentro da grande área do Galatasaray, duas por Moussa Marega, uma por Yacine Brahimi. Contudo, aos 26, o argelino esteve quase a marcar, através de um pontapé acrobático na sequência de um cruzamento de Jesús Corona, mas Fernando Muslera realizou uma defesa extraordinária.
  • À meia-hora já os “dragões” haviam controlado o seu adversário. Para além de registarem 62% de posse, também já somavam mais um remate (6-5) e mais um enquadrado (2-1). Os turcos começavam a ter dificuldade nas transições, fruto da fraca eficácia de passe, somente 62% nesta fase. Mérito para o Porto, ao cortar rapidamente qualquer lance contrário.

  • Iker Casillas evitou o golo de Yuto Nagatomo aos 38 minutos, num dos lances mais perigosos do desafio. Ao aproximar-se o descanso, os turcos conseguiram soltar-se um pouco mais, aumentando a posse de bola para 43% e aproximando-se com perigo da baliza lusa.
  • Intervalo Nulo ao descanso a premiar a consistência defensiva do Galatasaray e a menor pontaria do Porto. Ambas as formações chegaram ao intervalo com oito remates, mas os turcos somavam três enquadrados, contra apenas dois dos “dragões”. Dos disparos do Gala com boa direcção, dois não deram golo devido a providenciais intervenções de Iker Casillas. O melhor nesta fase era o lateral-direito dos turcos, Martin Linnes, com um GoalPoint Rating de 6.1, fruto, essencialmente, dos quatro desarmes que realizou.

  • O FC Porto, contudo, corrigiu rapidamente as questões ofensivas, fazendo o 1-0 logo aos 48 minutos. Alex Telles bateu um canto da esquerda do ataque e Marega, completamente solto de marcação à entrada da pequena área, cabeceou para o fundo das redes. Um tento ao nono remate portista no jogo, terceiro enquadrado.

  • À passagem da hora de jogo os “azuis-e-brancos” tinham o encontro controlado, com 70% de posse de bola no segundo tempo, dois remates, um golo, 89% de eficácia de passe, contra 68% dos turcos, e nenhum sobressalto desde o descanso. Alex Telles começava a destacar-se dos demais, com uma assistência em cinco passes para finalização.
  • O Galatasaray não conseguia reagir ao golo sofrido, somando apenas um remate no segundo tempo, à passagem do minuto 70. O passe continuava a ser um problema para os turcos, que viam todos os caminhos para a baliza portista tapados. O facto de também não conseguir realizar cruzamentos (só três em todo o jogo nesta fase, contra os 13 dos portugueses) diz bem das dificuldades turcas em definir os lances.

  • O Porto terminou a partida a tentar aproveitar a subida do Galatasaray no terreno, mas o resultado não viria a sofrer alterações, devido ao domínio dos “dragões” e à má qualidade de passe dos turcos, que terminaram com fracos 68% de eficácia nas entregas.

O Homem do Jogo 👑

Brahimi esteve relativamente discreto ao longo da partida, com excepção de um lance acrobático cujo melhor desfecho foi travado por Muslera. Porém, no segundo tempo, aproveitando o balanceamento ofensivo do Galatasaray à procura do golo do empate, o argelino acabou por melhorar substancialmente, ao ponto de terminar como melhor em campo, com um GoalPoint Rating de 6.4. O extremo terminou a partida com quatro remates, dois passes para finalização e uma ocasião flagrante criada. Não foi tão eficaz no drible como costuma (apenas dois completos em seis tentativas), mas ajudou defensivamente, com sete recuperações de posse e três desarmes.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Marega 5.3 – O maliano foi desconcertante, mesmo que decisivo. Potente, rápido, ao mesmo tempo trapalhão, esteve no sítio certo para fazer o único golo da partida, num total de quatro remates. O seu rating modesto reflecte uma ocasião flagrante desperdiçada, mas também algumas variáveis nas quais foi o “pior” em campo: dois remates desenquadrados, 56% de eficácia de passe, quatro desarmes sofridos, quatro maus controlos de bola, três foras-de-jogo.

  • Jesús Corona 6.3 – Muitas vezes incompreendido, o mexicano acaba quase sempre por cumprir. O extremo terminou a partida com três passes para finalização, três dribles completos em quatro tentativas e quatro cruzamentos, sendo um eficaz.
  • Alex Telles 6.2 – Os números do brasileiro são invariavelmente especiais. Nesta partida, o lateral fez a assistência para o único golo do jogo, realizou cinco passes para finalização, teve sucesso em dois de seis cruzamentos e ganhou três de quatro duelos aéreos defensivos.
  • Muslera 5.9 – O guarda-redes uruguaio foi o melhor do Galatasaray. Ao todo realizou quatro defesas, três a remates dentro da sua área, e ainda somou três saídas pelo ar eficazes. Só não pôde fazer nada no golo de Marega, visto o maliano ter cabeceado sem qualquer oposição.
  • Iker Casillas 5.5 – Uma palavra para Casillas. O guarda-redes do Porto nem foi chamado a intervir muitas vezes, mas quando o fez foi verdadeiramente decisivo. Das três defesas que realizou, duas evitaram golos praticamente certos, no final da primeira parte.

GoalPoint-T-shirts-2017-banner