O FC Porto regressou aos triunfos na Liga NOS e mantém-se a três pontos do SL Benfica e cinco do Sporting CP. Em dia de estreias de José Peseiro no bando portista e de Nelo Vingada ao leme insular, foi mais feliz o primeiro. E feliz é a palavra. O triunfo pela margem mínima (1-0) caiu praticamente do céu, fruto de um autogolo do guarda-redes contrário, Salin. É que, apesar do claro domínio territorial (63,4%), foram os visitante que mais remataram. Só que fizeram-no sem a qualidade necessária para inverter o resultado.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 19 - Porto vs Marítimo
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

A primeira parte deixou no ar a tendência da partida em termos ofensivos. O Porto marcou aos 22 minutos, quando André André rematou à barra, a bola encontrou o guarda-redes Salin pelo caminho e acabou por entrar na baliza maritimista. Azar para o francês, felicidade portista, pois este viria a ser o momento do jogo. Porém, na segunda parte acentuou-se o pouco habitual domínio forasteiro em remates no Estádio do Dragão. Os comandados de Nelo Vingada terminaram com 12 remates, quatro deles enquadrados, os homens de Peseiro apenas dispararam sete vezes, três na direcção da baliza, mas os “dragões” demonstraram uma característica importante: poucas vezes deixaram os insulares entrarem na sua grande área, pelo que o Marítimo somou apenas cinco disparos de dentro da área de Iker Casillas, contra sete dos portistas.

Seja como for, muito trabalho espera José Peseiro até afinal a máquina portista, que sentiu grandes dificuldades no último terço do terreno. O número de passes para ocasião são disso prova: o Porto conseguiu seis, o Marítimo oito…

Casillas fecha a porta

Perante os muitos remates adversários, Iker Casillas teve mais trabalho do que é hábito na baliza portista. O espanhol foi o homem do jogo, com 6.7 no GoalPoint Ratings. A muita posse de bola dos “dragões” podem enganar, mas a verdade é que o internacional espanhol realizou quatro defesas e esteve sempre muito seguro entre os postes, respondendo bem ao erro que averbou em Guimarães.

Destaque também para Yacine Brahimi (6.2), autor de dois remates, ambos enquadrados, mas acima de tudo para os problemas que criou na esquerda do ataque portista. O argelino ganhou 61,5% dos 13 duelos individuais que disputou e foi dos mais inconformados.

Do lado do Marítimo a palavra de destaque vai para Fransergio. O defesa-central foi o melhor da sua equipa, com 6.0 no GoalPoint Ratings, em especial devido às seis intercepções que realizou, aos quatro alívios e quatro recuperações de bola. Os bons números de ataque do Marítimo não foram acompanhados pela eficácia, pelo que não espanta que esta distinção recaia num defesa.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS