[vc_tta_tabs][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-line-chart” add_icon=”true” title=”Ratings” tab_id=”1465571624475-01e55dfc-58e2″]
GoalPoint-Portugal-U20-South-Korea-U20-U20-World-Cup-2019-Ratings
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_position=”right” i_icon_fontawesome=”fa fa-trophy” add_icon=”true” title=”MVP” tab_id=”1465571693503-4a0f9bf6-e654″]
GoalPoint-Portugal-U20-South-Korea-U20-U20-World-Cup-2019-MVP
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][vc_tta_section i_icon_fontawesome=”fa fa-futbol-o” add_icon=”true” title=”Stats” tab_id=”1465571672809-6f7d6717-7b04″]
GoalPoint-Portugal-U20-South-Korea-U20-U20-WC--90m
Clique para ampliar
[/vc_tta_section][/vc_tta_tabs]

Portugal estreou-se com uma vitória no Grupo F do Mundial de Sub-20, que se realiza na Polónia. Frente à Coreia do Sul, a formação das “quinas” marcou cedo, por Francisco Trincão, e segurou essa vantagem magra até final. Um 1-0 que reflecte a melhor qualidade da equipa portuguesa, expressa nas estatísticas do encontro, mas que também mostra as dificuldades que os comandados de Hélio Sousa sentiram a partir do momento em que os asiáticos perceberam a estratégia lusa e deixaram de dar espaços nas suas costas.

O Jogo explicado em Números 📊

  • Excelente entrada de Portugal em jogo. Apesar de a Coreia se aventurar bastante no ataque, chegando com alguma facilidade junto à área lusa, os espaços concedidos pelos asiáticos na retaguarda acabaram por ser fatais. Aos sete minutos, Jota iniciou um contra-ataque rápido, lançou Francisco Trincão e este, isolado, atirou a contar, no primeiro remate do jogo.
  • À passagem do primeiro quarto-de-hora já era notória a superior qualidade de Portugal em relação aos coreanos. A formação das “quinas” registava 61% de posse de bola e os melhores lances, apesar de não passar de um só remate, e marcou de novo aos 19, de novo por Trincão, em lance anulado por fora-de-jogo de Rafael Leão. Avançado do Lille que, aos 21 minutos, isolado, permitiu a defesa de Lee Gwang-Yeon.

  • A meia-hora chegou com uma fase algo morna do jogo. Os coreanos perceberam os problemas que os portugueses estavam a colocar, com bolas nas costas da sua defesa, e resfriaram os seus ímpetos ofensivos, tirando espaços à formação lusa. Ainda assim, Portugal registava quatro remates, dois deles enquadrados nesta fase, contra duas tentativas sem eficácia dos asiáticos.

  • Bem Portugal no passe, com 81% de eficácia perto do descanso, contra 67% dos coreanos. Nesta altura, Portugal continuava a mostrar maior qualidade, mas incapacidade para criar perigo, perante o maior recuo contrário. Bem os portugueses também nos duelos individuais, com 60% ganhos nesta fase do jogo.
  • Intervalo O extremo Jota ia-se destacando neste primeiro jogo de Portugal no Mundial Sub-20 na Polónia. As formação das “quinas” chegou ao descanso na frente do marcador, golo de Trincão a passe o jogador do Benfica, que registava um GoalPoint Rating de 6.3, fruto da assistência, mas também de dois passes para finalização e seis recuperações de posse. Os jovens lusos dominaram a Coreia na primeira parte, com mais bola e eficácia nos principais momentos do encontro.

  • Apesar dos 75% de posse de bola de Portugal nos primeiros 15 minutos da segunda metade, os coreanos iam mantendo a defesa portuguesa em sentido, com um remate enquadrado travado por João Virgínia. Os lusos continuavam sem conseguir lançar contra-ataques rápidos, com os asiáticos a travarem sempre as transições ofensivas.

  • Numa fase de mais luta do que futebol de ataque, aos 70 minutos Florentino Luís já era o melhor em campo, com um rating de 6.3. O médio apresentava uma eficácia de passe assinalável (94%), dois duelos aéreos defensivos ganhos em quatro e dez acções defensivas, das quais quatro eram desarmes e dois bloqueios de remate.
  • Os últimos minutos da partida não sofreram grandes alterações, nem melhorias no jogo da Coreia do Sul, apesar de se encontrar em desvantagem. Portugal atacava mal, mas na retaguarda tinha tudo controlado, não deixando o seu adversário criar perigo, apesar de ter permitido cinco remates (um com boa direcção).

O Homem do Jogo 👑

Enquanto o jogo deu para Portugal explanar o seu contra-ataque, conduzido pelos seus velozes criativos, o melhor foi Jota. Aos poucos a tendência ficou indefinida, sem que nenhuma das equipas conseguisse criar perigo. E na luta pela posse de bola, ninguém foi melhor que Florentino Luís. O médio do Benfica registou o mais alto GoalPoint Rating desta estreia de Portugal no Mundial de Sub-20, um 6.4 que assentou na sua capacidade defensiva e rigor no passe. Em 40 entregas, Florentino errou somente quatro, ainda somou um passe para finalização, mas foi no trabalho em prol do colectivo que se destacou, com sete recuperações de posse e 12 acções defensivas, com destaque para cinco desarmes e dois passes para finalização.

Jogadores em foco 🔺🔻 

  • Diogo Queirós 6.3 – Com a subida dos coreanos no terreno em busca do empate, o central do FC Porto foi fundamental para a manutenção da vantagem lusa. Com cinco duelos aéreos defensivos ganhos em cinco, seis alívios e oito passes longos certos em 12, Diogo foi o segundo melhor em campo.
  • Rúben Vinagre 6.2 – O lateral-esquerdo foi o mais interventivo no jogo, com 104 acções com bola. Mas não só na retaguarda. Com um registo de 12 acções defensivas – quatro desarmes e três intercepções como destaque -, Rúben completou ainda 60 de 66 tentativas de passe e foi, a par de Trincão, o único português a concluir um drible com sucesso.
  • Diogo Leite 6.0 – Tal como o seu colega no centro da defesa, Diogo Leite esteve intratável no futebol aéreo, ganhando cinco de sete duelos aéreos defensivos. Terminou o jogo com 92% de eficácia de passe e sete alívios.
  • Jota 5.9 – O melhor na primeira parte, desapareceu na segunda, à medida que Portugal ia perdendo capacidade ofensiva. Ainda assim terminou o jogo com dois remates (desenquadrados), uma assistência em dois passes para finalização e 87% de eficácia de passe.
  • Kim Hyun-Woo 6.2 – Um dos três centrais da formação coreana, Kim Hyun-Woo foi o melhor da sua equipa, em especial devido a 11 acções defensivas, das quais cinco foram alívios.