A selecção Sub-21 de Portugal disputa esta terça-feira, às 19h45, a final do Campeonato da Europa do escalão. Um jogo decisivo que o país atinge pela segunda vez na sua história, tal como a Suécia, adversária do encontro em Praga. E tal como os escandinavos, os lusos nunca venceram a prova, pelo que haverá um campeão inédito em 2015.

O embate entre as duas selecções na fase de grupos terminou empatado 1-1, numa partida que teve uma história muito própria, condicionada pela necessidade de ambas de garantirem o apuramento, perante a ameaça de Itália e Inglaterra. Esse é, portanto, um jogo que dificilmente poderá contar para a análise e antevisão da final, que terá o seu próprio argumento. Será capaz Portugal de confirmar o seu favoritismo e talento de uma geração de excelência. Acabará por ganhar a força e pragmatismo dos suecos?

Este tem sido um torneio com algumas boas surpresas, quer a nível colectivo, quer individual. Por um lado vimos numa das meias-finais dois países escandinavos muito fortes, demonstrando que esta é, sem dúvida, uma região do mapa a rever em termos de Scouting. Por outro vemos uma selecção de Portugal que fez um europeu absolutamente fantástico, com os jogadores a conseguirem aliar técnica individual a trabalho colectivo, e a ganharem de forma épica à Alemanha. Suécia e Portugal são os dois finalistas e o GoalPoint antevê um embate bastante interessante, no qual as duas equipas terão de realçar os seus pontos fortes, e eles são bem distintos.

SUÉCIA: ALTOS, FORTES E RÁPIDOS, MAS NADA TOSCOS

O potencial alvo leonino Guidetti é uma das armas suecas para a final
O potencial alvo leonino Guidetti é uma das armas suecas para a final

RAPIDEZ E AGRESSIVIDADE

A formação escandinava normalmente opta por um jogo exterior, tirando um maior partido da capacidade física e atlética dos seus jogadores. Vemos uma Suécia delineada num 4x4x2 clássico, que assenta numa dinâmica bastante agressiva e rápida. O “trinco” raramente avança no terreno, fica mais preocupado com o equilíbrio defensivo, dando ao capitão Oscar Hiljemark e a Abdul Khalili a iniciativa na construção do jogo, numa perspectiva de passe longo e jogo mais directo, que explore as costas da linha defensiva oposta.

Do lado direito surge o benfiquista Victor Lindelof a fechar com grande qualidade o corredor, e do outro Ludwig Augustinsson, um lateral bastante ofensivo que tenta muitas vezes o cruzamento, ainda que com alguma inconsequência.

Suécia Sub-21 2015
O 4x4x2 que a Suécia deverá colocar em campo frente a Portugal

SEM UM DESEQUILIBRADOR

Na nossa opinião o ponto menos bom desta selecção é o facto de não ter um extremo mais desequilibrador, isto é, caso o adversário consiga contrariar a tendência de jogo directo imposta pelos suecos, estes não têm alguém no meio-campo que individualmente consiga fazer a diferença a nível técnico – pois Tibbling é jogador mais de condução de bola e apoio e não um desequilibrador nato. John Guidetti e Isaac Thelin têm elevada técnica, mas jogam com bastante profundidade, e caso sejam alvo de uma marcação mais contundente os escandinavos ficam sem “abre-latas” disponíveis.

DESTAQUES

Apesar de bastante altos e fortes fisicamente, Thelin e Guidetti são atacantes móveis e que raramente se deixam ficar na marcação dos defesas contrários. O primeiro tem cerca de 1,89m de altura, destaca-se pela recepção de bola e excelente tomada de decisão, e peca, por vezes, por ficar demasiado escondido do jogo. Guidetti já foi tema de um artigo GoalPoint, e é uma ameaça constante apontada à baliza lusa, bom no um-para-um, excelente a proteger a bola e é dono de um remate potente.

Tibbling é a grande surpresa desta Suécia, sobretudo para quem não acompanha a Eredivisie. Joga maioritariamente no seu clube como trinco ou “8”, mas nesta selecção aparece como médio-ala. Este pequeno cérebro de 20 anos tem nos seus pés a maior parte da inteligência de jogo do meio-campo sueco, aparece muito bem a pegar na bola e tem uma visão de jogo acima da média, à qual junta sempre decisões acertadas. Não é extraordinário no drible, nem muito rápido, mas é completo em todas as vertentes.

NA PRÓXIMA PÁGINA > A “FÓRMULA” DE RUI JORGE