A última vez que Benfica e Sporting abriram a época foi no verão “quente” de 2015. Jorge Jesus tinha acabado de se mudar para Alvalade, numa novela que preencheu as capas do defeso, e defrontava a ex-equipa, comandada por um Rui Vitória acabado de chegar. A vitória acabaria por sorrir aos “leões”, fruto de um golo obtido por André Carrillo, jogador que mais tarde seguiria o trajecto inverso ao do treinador português.

[Os números e o resumo do duelo de 2015, nessa altura ainda sem GoalPoint Ratings]

Quatro anos volvidos, quase tudo mudou. De jogadores a treinadores e passando até por presidentes, muito pouco se mantém a não ser a eterna rivalidade que une os rivais. Um dos poucos pontos em comum acaba por ser a condição em que ambos atingem a disputa do primeiro troféu da época: o Benfica novamente como campeão, o Sporting como vencedor da Taça de Portugal, embora desta feita conquistada pelo mesmo treinador (Marcel Kezer) que agora disputará a Taça Cândido de Oliveira (em 2015 o acesso à final foi garantido por Marco Silva, imediatamente antes de abandonar o comando dos “leões”).

Dois decisores em campo… se o mercado permitir

Benfica e Sporting estão diferentes face à época passada, mas (até ver) mantêm dois homens com perfil decisivo nestes momentos, ainda que por razões diferentes. No Benfica sobressai Pizzi: o médio esteve directamente envolvido em quatro golos (um golo e três assistências nas últimas duas presenças em finais da Supertaça. Já no Sporting o nome incontornável é Bruno Fernandes, ou não fosse ele autor de três dos cinco golos marcados pelos “leões” ao rival na última época, dois deles nas meias-finais que garantiram o acesso à final da Taça de Portugal, conquistada frente ao Porto.

Com um mercado aparentemente calmo no que toca à “águia” bragantina, resta saber se o Sporting mantém o cobiçado capitão nos seus quadros, senão na próxima época, pelo menos até à final de domingo.

[Os números de Pizzi e Fernandes na Liga NOS 18/19: registos diferentes, unidos pela enorme influência]

GoalPoint-Pizzi_2018_vs_Bruno_Fernandes_2018-infog
Clique para ampliar

Terminamos com algumas das principais curiosidades que marcam a próxima final da Supertaça (Domingo, 04.Ago, 20h45), que será também o primeiro jogo da época a merecer a cobertura habitual GoalPoint a que habituámos os nossos leitores:

  • O Sporting tem mais uma (8) Supertaça no museu que o Benfica (7), ambos muito distantes do “rei” da prova, o Porto, com 21 conquistas. As “águias” acabam por ser a equipa com mais finais perdidas (12, contra as 9 dos “azuis-e-brancos”).
  • Os “leões” apenas falharam a conquista de uma das nove finais que disputaram. Já o Benfica venceu três das ultimas quatro finais em que marcou presença, incluindo as últimas duas (frente a Braga e Vitória de Guimarães).
  • A Supertaça foi conquistada pelo campeão nacional em sete das oito últimas finais disputadas. A excepção? precisamente a vitória do Sporting frente ao Benfica, em 2015.
  • Ao ter a possibilidade de registar duas vitórias consecutivas frente ao Benfica os “leões” podem conseguir algo que lhes escapa desde Novembro de 2015.
  • O Benfica perdeu apenas um dos último nove duelos com o Sporting, em todas as competições, precisamente a segunda mão da meia-final da Taça de Portugal (1-0, Bruno Fernandes), em Abril passado.

[A história de Cândido de Oliveira, o homem que dá nome ao troféu em disputa]