Enquanto os vencedores festejam, convictos da justiça da glória que os faz sorrir, alguns vencidos falam em “colinho” numa Liga disputada na qual os erros de arbitragem terão tido um peso determinante. Em jeito de aviso prévio referimos que não entramos, como nunca o fizemos, em considerações qualitativas sobre o peso das decisões dos árbitros no desfecho final. Não só esse caminho não coincide com os propósitos do GoalPoint como já existem bastantes fontes de análise mais ou menos aprofundada (mas sempre subjectiva) da actuação dos homens do apito. Centramos a nossa atenção no que queremos e podemos medir: o desempenho das equipas e jogadores, de modo a perceber quem foi, de facto, o melhor. E nesse caminho encontraremos, como o leitor irá perceber, informação quantitativa que demonstra o quão exagerada é a importância que damos, em Portugal, ao peso dos erros de arbitragem. Mas lá chegaremos.

Comparamos em seguida os números de Benfica e Porto até há jornada 33 (inclusive). O Sporting? Descansem os leitores “leões”, que analisaremos a seu tempo o que afastou o Sporting da luta pelo título. Por agora centramos a nossa atenção na comparação entre “águias” e “dragões”, os emblemas que mantiveram a luta até à penúltima jornada da Liga NOS.

 

GANHA QUEM DEFENDE MELHOR?

Há quem diga que quem melhor defende, ganha. Sendo que uma defesa sólida e eficiente é certamente a chave do sucesso, não será por aí que se desenha a eventual justiça da atribuição do título “encarnado”, pois no plano defensivo o FC Porto foi melhor. Os “dragões” permitiram menos remates, sofreram menos golos e perderam menos jogos, referindo apenas as variáveis mais significativas de uma tendência globalmente positiva para as cores azuis e brancas.

O Benfica apenas se superioriza no capítulo defensivo no número de remates travados pelo(s) seu(s) guarda-redes, com uma vantagem marginal. Concluímos assim que não foi pelo capítulo defensivo que o Benfica se superiorizou ao Porto, ainda que os números “encarnados” sejam não só muito positivos como aliás os segundos melhores da Liga. As próximas páginas contam, no entanto, uma história diferente.

CONCLUSÃO DO COMPARATIVO DEFENSIVO: SLB 0 – FCP 1

 NA PRÓXIMA PÁGINA > DIZ-ME COMO CRIAS, DIR-TE-EI COMO MARCAS