Chegados ao fim de mais uma semana europeia o balanço é positivo, mas nesta jornada em particular fomos presenteados com um incomum rol de emoções. Das cinco equipas portuguesas em prova houve quatro que começaram os seus jogos a perder, mas se no caso do Porto essa contrariedade não foi ultrapassada, o Benfica recuperou uma desvantagem de dois golos até conseguir o empate, e Sporting e Braga deram mesmo a volta ao resultado por completo, trazendo na “bagagem” os três pontos correspondentes à vitória.

Estava lançado o mote no “laboratório” GoalPoint. Este era o pretexto ideal para fazer uma análise que se impunha há algum tempo. Quem são os melhores treinadores a superar situações adversas? Aqueles que têm o “plano B” mais oleado e sabem moralizar as tropas para o executar quando o jogo não está a correr bem?

Decidimos analisar os treinadores de Primeira Liga com mais jogos disputados na última época e meia, e perceber quem são os mestres das reviravoltas. Estes são os protagonistas do estudo, e a coluna a laranja (do gráfico seguinte) identifica os jogos em análise, aqueles em que os treinadores se encontraram numa situação adversa de derrota, nas diversas competições oficiais que disputaram desde o início da época 2014/15 até hoje.

Os mestres da reviravolta do futebol português

Aqui há uma natural tendência para os treinadores dos clubes grandes serem confrontados menos vezes com o contexto em análise. mas mesmo assim verificam-se pormenores interessantes. Lopetegui por exemplo, apenas se encontrou a perder em 19% dos jogos disputados, número que parece indicar uma estratégia inicial bem montada. Já Jorge Jesus, apesar de ter sido campeão e liderar a Liga 15/16, encontrou-se em situação de desvantagem em mais de 25% dos jogos que disputou. A base amostral de Rui Vitória incide muito mais nos tempos de Guimarães mas mesmo assim este número em particular não é animador. O actual técnico dos “encarnados” esteve a perder em mais de metade dos jogos que disputou na última época e meia. Quem sai bem na fotografia é Lito Vidigal, que entre Belenenses e Arouca só esteve a perder em apenas 40% dos jogos que disputou.

>NA PRÓXIMA PÁGINA: OS “MESTRES DA REVIRAVOLTA”