Ranking: Os melhores do Benfica na primeira volta

Já escrevemos antes que o Benfica domina no capítulo do remate e finalização, mas chegada a altura de olhar para os valores individuais das principais figuras da Luz, há nomes incontornáveis com uma competência sem igual na Liga.

GP - destaque - Rankings1V201415SLB - 20Jan2015

Na nossa terceira análise aos rankings da primeira metade da Liga Portugal, olhamos para o líder SL Benfica, para os valores por detrás do sucesso da equipa de Jorge Jesus nas primeiras 17 jornadas, que a tornam na mais bem-sucedida dos últimos 30 anos de história dos “encarnados” em igual período. Se na observação ao FC Porto e Sporting confirmámos a importância de jogadores como Jackson Martínez, Óliver Torres, Nani ou Islam Simani, nos números “encarnados” é indisfarçável a influência de Anderson Talisca, Eduardo Salvio e, acima de tudo, Nicolás Gaitán. Mas há outros nomes que surpreendem. Confira quais.

O remate: Talisca, Salvio e os outros

 

Numa análise anterior o GoalPoint já havia concluído da importância decisiva da qualidade do remate para o escalonamento da classificação da Liga. E havia, igualmente, realçado que neste capítulo o Benfica ganha em toda a linha – na eficácia (44,9%), no aproveitamento (15,7%) e no reduzido número de remates que necessita para chegar ao golo (6,4). Este facto aumenta ainda mais o interesse na análise dos números individuais, de forma a sabermos quem são os jogadores às ordens de Jorge jesus que mais contribuem para a competência da “águia” no momento da finalização.

Sem grande surpresa, Anderson Talisca surge entre os nomes dos que mais se realçaram neste capítulo, mas também Eduardo Salvio e dois dos laterais mais utilizados: Eliseu e Maxi Pereira. Talisca e Salvio são mesmo os “reis” do golo do Benfica. O brasileiro soma nove, é o jogador com mais remates por jogo (2,5, o mesmo que Nicolás Gaitán), e mais tentos por partida (0,5), o mesmo que Salvio. O argentino (que tem sete golos) ganha ao brasileiro no aproveitamento, 24,1% contra 20,9%, e na eficácia dos disparos, 58,6% para 48%. Mas fica clara a ideia de que estes são os dois grandes “abonos de família” do emblema da Luz.

Mas há outros nomes a realçar. A começar por Eliseu e Maxi Pereira que, apesar de terem apenas dois golos cada, mostram uma grande capacidade de aproveitamento e eficácia de disparo. De facto, 33,3% dos remates de Eliseu e Maxi deram em golo e o ex-Málaga consegue mesmo acertar 66,7% dos “tiros” com a baliza. E depois há Lima (seis golos) e Jonas (quatro). Os dois pontas-de-lança somam 2,4 e 2,2 tentativas por encontro, respectivamente, e Jonas 54,5% de eficácia. Veremos como corre a segunda volta, pois Ola John parece querer ameaçar alguns dos números dos colegas de equipa.

Fica a ideia de que no que concerne ao remate e concretização, o Benfica não está dependente de nenhum nome em particular, com a competência neste capítulo a residir num vasto leque de jogadores que ocupam os três sectores do terreno.

Na próxima página: os mestres do passe