Ranking: Os melhores do Benfica na primeira volta

Já escrevemos antes que o Benfica domina no capítulo do remate e finalização, mas chegada a altura de olhar para os valores individuais das principais figuras da Luz, há nomes incontornáveis com uma competência sem igual na Liga.

O passe: argentino decisivo, grego consistente

 

Golos, remates, aproveitamento, no fundo é o que fica, mas por trás de tudo isto há o trabalho de quem constrói, de quem entrega de bandeja a bola para quem finaliza. O equilíbrio entre estes dois factores é essencial e nem sempre um tem correspondência no outro. O Benfica não chega, nem de perto (ninguém o consegue, aliás), aos valores do FC Porto na percentagens de passes certos – como pode constatar no ranking dos “dragões” –, mas quem tem Gaitán não precisa.

O argentino bate todos no que se refere a passes para ocasião, com 2,4 por partida, mais nove décimas que o segundo melhor benfiquista, Jonas (1,5) e mais cinco que o melhor portista, Yacine Brahimi (1,9). E também nas assistências a “águia” voa mais alto que o “dragão”: Gaitán soma 0,5 por partida e apenas o sportinguista Jefferson consegue números semelhantes. Jonas, Salvio e Ola John, com 0,3, também têm um contributo importante. Resumindo, o Benfica precisa de menos passes, com menos eficácia, para causar mais danos que o segundo classificado no que toca a entregas decisivas, o mesmo acontecendo em frente à baliza.

Contudo, há que destacar dois registos importantes. Pizzi fez apenas seis jogos na Liga pelos “encarnados”, mas lidera na precisão de passe, com 89,8%, seguindo-se o  discreto mas competente Andreas Samaris, com 82,5% – o grego é quem mais passa a bola na equipa, com 51,3 entregas por jogo, contra 34,7% do segundo colocado, Talisca. Jonas também surpreende, com 80,4% de passes certos, o que é excelente para um ponta-de-lança, seguindo-se Ola John (80,1%) e Lima (79,2%).

Na próxima página: os pilares defensivos da Luz