Ranking: Os melhores do Benfica na primeira volta

Já escrevemos antes que o Benfica domina no capítulo do remate e finalização, mas chegada a altura de olhar para os valores individuais das principais figuras da Luz, há nomes incontornáveis com uma competência sem igual na Liga.

A defesa: laterais de ferro

 

Analisar desempenhos individuais e inseri-los num contexto colectivo e global é uma tarefa por vezes complexa, mas igualmente interessante, pois os números reflectem a filosofia de jogo das equipas. Fala-se muito da fragilidade defensiva do Sporting CP, algo de certa forma comprovado na análise ao ranking defensivo dos “leões”, mas amiúde deparamo-nos com dados que o parecem desmentir. Por exemplo as 9,7 acções defensivas por jogo e as 3,9 intercepções de Paulo Oliveira mostram uma eficácia que não se encontra, por exemplo, nos dados individuais do Benfica, que apresenta a melhor defesa da Liga.

Olhando para a forma de jogar das duas equipas, não será difícil depreender que a pressão mais subida do Benfica em comparação com a dos “leões” explica esta contradição, sendo que a equipa de Jorge Jesus expõe-se menos na sua defensiva, matando as investidas contrárias à nascença, lá bem à frente. Não surpreende, portanto, que Samaris seja o segundo benfiquista com mais cortes eficazes por jogo (2,2, para 2,4 de Maxi Pereira), que Talisca tenha 1,2 ou que Salvio tenha uma eficácia de corte de 81,3% e o grego de 82,4% – valores bem acima dos apresentados por vários defesas do Sporting e até do Benfica.

Jardel é o mais activo da retaguarda “encarnada”, com 7,4 acções defensivas por encontro, uma espécie de “pronto-socorro” sob as ordens do “comandante” Luisão. Mas tirando este valor é de realçar a importância dos laterais no momento defensivo, assumindo grande parte da responsabilidade neste capítulo, ao contrário do que acontece com os “leões”. Eliseu é “rei” e senhor das intercepções (3,1 por desafio) – o que denota uma franca evolução no que concerne ao posicionamento –, seguido de perto por um surpreendente André Almeida (3).

O polivalente Almeida é o mais eficaz a cortar lances contrários, com 83,3% de sucesso, o mesmo valor de Eliseu, pelo que Jorge Jesus pode estar descansado no que toca à lateral-esquerda. Maxi brilha na direita, com 2,4 cortes eficazes por jogo, como já referimos acima, e regista também 2,4 intercepções, o terceiro melhor benfiquista neste detalhe.

Aos poucos, Jorge Jesus vai recuperando vários jogadores até aqui lesionados, como são os casos de Sílvio, Fejsa ou Rúben Amorim, pelo que certamente este ranking terá outros protagonistas e números diferentes para analisar mais à frente. Cá estaremos para isso.