O RTG (Ranking de Treinadores GoalPoint) foi mais uma das populares (e exclusivas) inovações lançadas pelo GoalPoint na época passada. O Ranking regressa agora, numa base mensal, para elegermos com objectividade, o treinador do mês da Liga NOS e Segunda Liga.

Como definimos o ranking? Recorrendo às probabilidades (odds) médias das principais casas de apostas ponderamos a dificuldade de cada partida disputada pelos treinadores que comandam todos os emblemas do futebol profissional português, em todas as competições oficiais disputadas. Pode encontrar uma explicação detalhada sobre o método neste link, onde poderá também confirmar quem foi o Treinador do ano GoalPoint 2014/15.

Avançamos então para a identificação dos primeiros líderes do RTG 2015/16 do futebol profissional português, findo o primeiro mês de competição.

RTG - Treinador do mês GoalPoint - Agosto 2015
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

LIGA NOS: A ACADEMIA DE BELÉM

No Top 5 da temporada passada encontravam-se os timoneiros dos “três grandes”, acompanhados por Rui Vitória que, entretanto, foi escolhido para substituir Jorge Jesus, o vencedor do RTG 2014/15. “Ensanduichado” na 3ª posição estava talvez a maior surpresa de todas: Lito Vidigal, até por ter sido dispensado com a época em curso.

Para provar que nada é por acaso, o agora comandante do Arouca é o primeiro homem a ser distinguido com o prémio de Treinador do mês GoalPoint em 2015/2016.
Com três jogos de elevado grau de dificuldade, jogando fora em duas ocasiões, o luso-angolano consegue o feito de liderar o campeonato a par de FC Porto e Sporting. Se Lito mantiver a qualidade demonstrada na época passada ameaça não ficar por aqui. Lopetegui que se cuide, pois é a próxima etapa no caminho do “grande” Arouca.

RTG 2015/16 - Agosto 2015
Clique na tabela para ampliar

Curiosamente nos outros dois lugares do top quatro encontram-se os dois sucessores de Lito Vidigal no Belenenses: Jorge Simão e Ricardo Sá Pinto, a mostrar que os administradores da SAD do Restelo souberam aparentemente dar sequência ao que pareceu um erro: a dispensa de Lito.

Quanto à particular “luta de galos” entre os treinadores dos “três grandes”, não se pode dizer que algum esteja a rir neste momento, visto que todos já tiveram desaires comprometedores para a sua pontuação (negativa, nos três casos) e expectativas neles depositadas.

NA PRÓXIMA PÁGINA: UM “GUERREIRO” NA LIDERANÇA DA 2ª LIGA