AHistória da Liga portuguesa parece viver uma fase de mudança. Após cerca de três décadas de domínio hegemónico do FC Porto, com expressão nacional e internacional, as últimas épocas (em especial a última) parecem anunciar uma nova fase do futebol português, resta saber se igualmente hegemónica ou de sucesso mais partilhado.

O Benfica é tricampeão, ameaçando assumir o estatuto que outrora foi propriedade do “dragão” que não só perdeu a liderança como foi ultrapassado pelo Sporting, na hora de pesar quem concorre pelos títulos de forma mais directa, já na última época.

Nesta perspectiva, e tendo em conta a ideia generalizada de que o sucesso se compra com investimento forte, olhámos para as “contas” das equipas portuguesas que conquistaram títulos, internos e externos, na última década (entre a temporada 2005/06 e 2015/16), respondendo de forma rápida às seguintes questões:

  • Quanto gastaram em aquisições?
  • Quanto “facturaram” em vendas?
  • Quantos títulos venceram durante o período em análise?
  • Que indicadores curiosos podemos comparar?

Avançamos agora para o ranking, clube a clube, ordenado por total de investimento em aquisições.

Nota metodológica: Nesta análise as supertaças são consideradas na época em que cronologicamente são conquistadas e não na época que dá origem ao direito de as disputar.

7. Vitória FC
1 Taça da Liga

Total de compras (2006/16): 0,6M Euros O que investiu menos
Total de vendas (2006/16): 7,4M Euros
Resultado líquido: + 6,8M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 1
Investimento por troféu conquistado: 0,6M Euros O que pagou menos por troféu
Vendas por troféu conquistado: 7,4M Euros
Resultado líquido por época: + 0,7M Euros

6. A. Académica
1 Taça de Portugal

Total de compras (2006/16): 2,1M Euros
Total de vendas (2006/16): 11,2M Euros
Resultado líquido: + 9,1M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 1
Investimento por troféu conquistado: 2,1M Euros
Vendas por troféu conquistado: 11,2M Euros
Resultado líquido por época: 0,9M Euros

5. Vitória SC
1 Taça de Portugal

Total de compras (2006/16): 7,5M Euros
Total de vendas (2006/16): 44,1M Euros
Resultado líquido: 36,6M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 1
Investimento por troféu conquistado: 7,5M Euros
Vendas por troféu conquistado: 44,1M Euros
Resultado líquido por época: 3,7M Euros

4. SC Braga
1 Taça de Portugal, 1 Taça da Liga

Total de compras (2006/16): 38,2M Euros
Total de vendas (2006/16): 98,5M Euros
Resultado líquido: 60,3M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 2
Investimento por troféu conquistado: 19,1M Euros
Vendas por troféu conquistado: 49,2M Euros O que vendeu mais por título
Resultado líquido por época: 6,0M Euros

3. Sporting CP
3 Taças de Portugal, 3 Supertaças

foto: J. Trindade
Total de compras (2006/16): 126,2M Euros
Total de vendas (2006/16): 171M Euros
Resultado líquido: 44,9M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 6
Investimento por troféu conquistado: 21,0M Euros
Vendas por troféu conquistado: 28,5M Euros
Resultado líquido por época: 4,5M Euros

2. SL Benfica
4 Ligas, 1 Taça de Portugal, 2 Supertaças, 7 Taças da Liga

Total de compras (2006/16): 338,2M Euros
Total de vendas (2006/16): 537,9M Euros
Resultado líquido: 199,7M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 14
Investimento por troféu conquistado: 24,2M Euros O que pagou mais por troféu
Vendas por troféu conquistado: 38,4M Euros
Resultado líquido por época: 20,0M Euros

1. FC Porto
7 Ligas, 1 Liga Europa, 4 Taça de Portugal, 6 Supertaças

Total de compras (2006/16): 340,5M Euros
Total de vendas (2006/16): 741,9M Euros O que vendeu mais
Resultado líquido: 401,5M Euros
Troféus conquistados (2006/16): 18 O que ganhou mais
Investimento por troféu conquistado: 18,9M Euros
Vendas por troféu conquistado: 41,2M Euros
Resultado líquido por época: 40,1M Euros O que teve melhor saldo

 

Conclusões?

As eventuais conclusões deixamos para si. Mas há algo que salta à vista. De entre os “três grandes” há um vencedor claro. O FC Porto não só conquistou mais títulos que a concorrência, fê-lo gastando bastante, mas pouco mais, por exemplo, que o Benfica, pelo que o investimento médio por título não só esta dentro da média como nem é o mais elevado (Benfica superior).

Se atentarmos ao que o FC Porto vendeu, então o resultado líquido em comparação com o que conquistou é deveras assinalável. Ganhar mais e com o dobro do “lucro” na comparação com o mais directo rival não é para qualquer um, para mais se levarmos em conta que a perda da hegemonia já dura há três das dez épocas em análise.

De resto, de notar que o custo médio por título nos casos de vencedores mais regulares (com mais do que um troféu nos últimos dez anos) ronda os 20 milhões. Será este um número mágico?