TotoRating Banner

GoalPoint-Real-Madrid-Barcelona-Spanish-La-Liga-201920-Ratings
Clique para ampliar

O Real Madrid quebrou um enguiço que durava há várias épocas e venceu o Barcelona no Santiago Bernabéu, por 2-0, reassumindo a liderança do campeonato espanhol. Os “blaugrana” ganharam nas quatro últimas deslocações ao terreno do seu eterno rival, mas desta feita os comandados de Zinédine Zidane foram mais fortes, arrancando um triunfo baseado numa segunda parte muito forte, que impediu os catalães de sequer criarem perigo. Vinícius Jr. e Mariano Díaz fizeram os golos.

O Real entrou em jogo a tentar “esconder” o esférico do Barça, com um futebol mais paciente, de trocas de bola, mas nunca conseguiu impor verdadeiramente esta ideia de jogo e acabou o primeiro tempo não só com menos bola, mas a ver os catalães a criarem mais e melhores situações de ataque.

Primeiro foi Antoine Griezmann, aos 21 minutos, a rematar no coração da área, com tudo para facturar, mas a atirar muito por cima. Depois, aos 34, Arthur, isolado, viu Thibaut Courtois tocar o suficiente na bola para evitar o golo, na melhor oportunidade até ao momento. Pouco depois foi Lionel Messi – pressionado por um adversário – a obrigar o belga a nova boa intervenção. Destaque nesta fase para a excelência das duas equipas no momento do passe (92% de eficácia).

Isco, aos 56 minutos, num remate colocadíssimo, obrigou Marc-André ter Stegen a grande defesa. E aos 61 foi Gerard Piqué a tirar a bola de cima da linha de golo após cabeceamento de… Isco. Os “merengues” nem começaram bem o segundo tempo, mas recuperaram e começaram a criar mais perigo que os visitantes. E não espantou, por isso, o golo “blanco”.

Aos 71 minutos, Vinícius Jr. fugiu pela esquerda, Piqué não atacou logo e o brasileiro, mesmo de ângulo reduzido, atirou a contar, ao sexto disparo visitado no segundo tempo, terceiro enquadrado (2-1 para o Barça neste capítulo). Os da casa continuaram por cima e, nos descontos, Mariano Díaz, entrado um minuto antes, fugiu pela direita e, também com pouco ângulo, fechou as contas da partida, na única vez que tocou na bola.

O melhor em campo foi, no entanto, um defesa. Já na primeira parte Dani Carvajal havia imprimido uma intensidade grande ao flanco direito dos madridistas e acabou o jogo com o melhor GoalPoint Rating, um 7.6 que reflecte uma assistência em três passes para finalização, três cruzamentos eficazes em quatro, para além de nove recuperações de posse, quatro desarmes e dois bloqueios de remate.

Num jogo em que Lionel Messi esteve (historicamente) discreto (vide tweet em baixo), com 4.6, Sergio Busquets foi o melhor dos catalães, com um rating de 6.3, com quatro bloqueios de passe e o máximo de acções com bola (104).