Dez faltas num só jogo. Parece-lhe pouco não é? No entanto, é algo que as equipas da Premier League não atingem colectivamente em 40% dos seus jogos. Se fizermos o mesmo cálculo para a Liga NOS, são apenas 5% os jogos onde as equipas não atingem essa marca.

Se colectivamente é algo fora do vulgar uma equipa inglesa chegar aos dois dígitos nas faltas cometidas, individualmente pior ainda. Na verdade, apenas por duas vezes um jogador chegou às sete faltas num jogo da Premier League esta época, e só em sete ocasiões algum atingiu as seis.

GoalPoint-Portimonense-Estoril-LIGA-NOS-201718-90m
Clique para ampliar

Agora imagine o espanto de um turista inglês que, por algum acaso, passasse férias em Portimão no passado fim-de-semana e tenha dado um “pulinho” ao Estádio Municipal para assistir ao Portimonense – Estoril. Não só teria saído de lá admirado com a grande exibição de um central argelino que se lembra vagamente de ter actuado 10 minutos pelo Fulham, Rafik Halliche, como também com os apitos provocados pelo “camisola 21” dos da casa. O Portimonense chegou ao final do desafio com 19 faltas cometidas e dez delas foram responsabilidade de Pedro Sá.

É a primeira vez esta temporada que um jogador atinge a dezena de infracções em qualquer jogo das principais ligas europeias. O anterior registo mais elevado ficava-se pelas oito.

GoalPoint-Recordes-da-Europa-201718-Faltas-Cometidas
Clique para ampliar

Pedro Sá esteve em campo durante 90 minutos, fez a primeira falta aos 40 segundos de jogo e apenas foi admoestado ao minuto 84, momento em que cometeu a sua nona infracção. Lucas Evangelista foi a maior “vítima” de Pedro Sá, tendo sofrido cinco faltas que foram obra directa do poveiro.

O jogador do Portimonense entra assim para o lote de quatro jogadores a nível europeu com mais faltas cometidas a cada 90 minutos (3,3). Todos eles jogam em Portugal: Tiago Silva (Feirense), Rodrigo Battaglia (Sporting) e Gonçalo Paciência (Vitória Setúbal / FC Porto), para além do já citado, Pedro Sá.