O mercado de Inverno está finalmente encerrado e a grande novidade da loucura que é o dia do fecho da janela de transferências chama-se Hernâni.

A par de André André e Bernard, cotou-se na primeira volta como uma das grandes figuras do excelente V. Guimarães, de Rui Vitória, e foi nele que o FC Porto acreditou ser uma mais-valia para o seu plantel. Mas será que é mesmo? O GoalPoint foi analisar os seus números e compará-lo com os dos três principais extremos do plantel do FC Porto. Descubra as diferenças.

Pensando num ala, e principalmente de equipa grande que tipicamente tem menos espaço para usar a velocidade, o que se pede são quatro qualidades principais: drible, cruzamento, remate e passe. Todas estas podem ser medidas em números e nós fomos analisar a eficácia dos quatro jogadores nestes parâmetros.

Ora, os números de Hernâni vistos por este prisma não destoam dos demais. O ex-jogador do Vitória é o segundo com mais fintas (atrás de Brahimi), e também o segundo com mais cruzamentos e remates (atrás de Quaresma), perdendo apenas por larga margem no que toca aos passes. Mas visto que o FC Porto joga muito mais em posse que o Vitória de Guimarães, isso poderá estar relacionado com o estilo de jogo das equipas.

Será que é isso ou Hernâni é um jogador mais individualista que passa a bola como último recurso? Para o esclarecer olhámos para os números de outra maneira. Fomos ver qual a percentagem de vezes que cada jogador escolhe cada uma das acções em relação às outras, e incluímos também Alex, o outro extremo tipicamente titular na equipa do Vitória.

Peso das opções de jogo sobre o total de acções ofensivas realizadas
Jogador% Dribles / AOf% Cruz. / AOf% Remates / AOf% Passes / AOf
Brahimi16.1%1.6%4.1%78.2%
Tello14.3%5.6%5.6%74.5%
Quaresma10.1%16.4%6.3%67.3%
Hernâni24.7%17.8%12.3%45.2%
Alex10.9%7.9%5.9%75.4%

Legenda: AOf – Acções ofensivas, Cruz. – Cruzamentos

Os números não mentem, Hernâni, mesmo comparando com o seu colega do outro flanco, e com Quaresma que é tido como um jogador largamente individualista, é de todos, e a grande distância, o que gosta menos de passar a bola, decidindo fazê-lo apenas 45% das vezes.

Estes dados podem preocupar alguns e entusiasmar outros. Afinal de contas todos temos um “fraquinho” por jogadores que dão essa imprevisibilidade ao ataque, e se Hernâni for eficaz nas suas tentativas isso só pode ser um ponto a favor dele. Fomos então analisar a eficácia do luso-cabo-verdiano em cada uma das quatro acções ofensivas, e compará-la com a dos actuais extremos do plantel “azul-e-branco”.

http://youtu.be/gdNxcviOFZw

É aqui que Hernâni deixa as maiores dúvidas no ar. Se nos cruzamentos e remates está mais ou menos a par dos outros, com apenas 25% de eficácia Hernâni não justifica a sua apetência para o drible, e com a modesta percentagem de passes correctos (59%) mostra que este é mesmo um aspecto onde tem muito que evoluir.

Pontos positivos: Imprevisibilidade, irreverência, margem de progressão.

Pontos negativos: Individualismo excessivo, falta de eficácia no drible, baixa percentagem de passes correctos.

Em jeito de avaliação final, juntando estes números com as soluções que o FC Porto tem para a posição, esta parece ser uma contratação algo desnecessária para o imediato da equipa de Julen Lopetegui. A não ser que se trate de uma aposta de futuro.