Reforços: Mukhtar, (para já) um “Talisca” de pólvora seca

O jovem alemão vem rotulado de promessa e, apesar das boas características que possui, tarda em afirmar todo o seu potencial.

Hany Mukthar, o (primeiro?) reforço de inverno das "águias" (foto:DBF)
Hany Mukthar, o (primeiro?) reforço de inverno das “águias” (foto:DBF)

O SL Benfica garantiu a contratação do médio-criativo alemão Hanry Mukhtar, na reabertura o mercado, este Inverno. O jovem jogador, de 19 anos, chega a Portugal oriundo do Hertha de Berlim, uma promessa do futebol alemão que ajudou a equipa de Sub-19 a sagrar-se campeã da Europa, marcando o único golo da última final da competição, precisamente frente à congénere das “quinas”.

Olhando para as características de Mukhtar, torna-se difícil perceber ao certo o que Jorge jesus e os responsáveis benfiquistas têm em mente para o atleta. É certo que se trata de um internacional jovem alemão, custou apenas 500 mil euros, pois terminava contrato com o Hertha no Verão, mas o inegável talento do médio tarda em confirmar-se. Estamos perante uma potencial promessa em estagnação, que chega a um plantel com inúmeras soluções para a sua posição – Talisca, Gaitán, por exemplo. Jorge jesus poderá estar a confiar nas suas capacidades para potenciar jogadores, e se o conseguir será, certamente, uma boa aposta. E esse planeamento poderá também estar a levar em conta uma possível saída de um jogador importante, como os dois referidos acima.

Mas quem é, afinal, Mukhtar e quais as suas características? Trata-se, como já referimos, de um médio-ofensivo, um jogador móvel que faz a ligação entre o sector intermediário e o atacante. Cai muitas vezes nas alas à procura de espaços e integra-se bem na grande área. Procura distribuir jogo pelos médios-ala e efectuar passes de ruptura. De certa forma é um “Talisca” nestes particulares. Aparenta até ter uma técnica de drible superior à do brasileiro, mas com menor capacidade de finalização. O seu remate é menos potente, menos eficaz e Mukhtar precisa mesmo de melhorar este aspecto do seu jogo, ou seja, arriscar mais no remate e na tentativa de fazer golo.

As notícias da Alemanha davam conta que o Hertha não estava a utilizar Mukhtar esta temporada, precisamente por este não renovar contrato. Seja qual for o motivo, o médio não realizou qualquer partida pelo clube na Bundesliga em 2014/15. Fê-lo em 2013/14, embora de forma intermitente. Os números dos dez encontros que efectuou revelam pouco do potencial do jogador. Uma média de 33,1 minutos de utilização, que produziram apenas dois remates (ambos de fora da área) à baliza, nenhum deles enquadrado; nenhuma assistência para golo registada; somente quatro passes para ocasião, embora no acerto de passe (12,6 por jogo) consiga 81% de eficácia – um número natural perante a reduzida quantidade total de passes que realizou, 126.

Nestes dez jogos somou oito tentativas de drible apenas, seis deles com sucesso, e destacou-se no reduzido número de perdas de bola por desafio, apenas 1,6. Contudo, este valor poderá somente reflectir que Mukhtar esteve pouco em jogo nestes desafios.

Valores modestos que não entusiasmam, e que preocupam, dado que o atleta esteve muito tempo em competição no Hertha II, formação que milita no equivalente ao quarto escalão alemão – perfeito para que um jogador perca qualidades. Resta saber que planos tem Jorge Jesus para potenciar o jogador e qual a vontade do mesmo para vingar.