Após a sucessão de nomes alinhados como futuros centrais para o Sporting CP, o anúncio da contratação de Naldo (Edinaldo Gomes Pereira) por parte dos “leões” poderá surpreender alguns, mesmo que, inicialmente, os mais distraídos possam ter confundido o nome com o “outro” Naldo, o central brasileiro (goleador) do Wolfsburg, que defrontou precisamente os “verde-e-brancos” na Liga Europa na época passada.

O PERFIL

Prestes a fazer 27 anos, a 25 de Agosto, Naldo cumpre os requisitos de experiência traçados por Jorge Jesus para a posição. O 1,88m de altura e 80kg de peso conferem-lhe também a envergadura que já era possível perceber que os “leões” procuravam noutros nomes aventados (e ainda não afastados), como Douglas. Mas para lá disso, que futebol apresenta Naldo?

A CARREIRA

Naldo alinhou na época passada no Getafe, na Liga espanhola, por empréstimo da Udinese de Itália, clube com o qual, apesar de ter contrato deste 2013, realizou apenas 16 partidas. Essa é uma particularidade da carreira de Naldo: desde 2009, a fase em que a sua carreira profissional arrancou em definitivo, o brasileiro teve contrato com três clubes (União de São João, Granada e Udinese) mas jogou em cinco emprestado (Ponte Preta, Grémio, Cruzeiro, Bologna e Getafe). Falhada a passagem por Itália, foi precisamente a época passada aquela em que, ao serviço do Getafe, realizou mais jogos, números que analisamos na infografia anexa, numa comparação com o desempenho de outro central brasileiro que, quando contratado, não inspirou elevadas expectativas, o benfiquista Jardel. O comparativo exigente serve-nos sobretudo (como sempre sucede nestas análises GoalPoint) para melhor enquadrarmos os números, já que para lá das Ligas diferentes os atletas alinharam por equipas com argumentos e objectivos totalmente distintos, com impacto evidente no desempenho individual e colectivo.

…E O FUTEBOL

Os números de Naldo são os expectáveis num central que alinhou numa equipa “pequena”: eficácia de passe baixa para um central, participação inexistente no jogo ofensivo (0 assistências e apenas 1 passe para ocasião) e, por outro lado, números mais generosos nas intercepções e alívios. Ainda assim existem variáveis que sugerem preocupação, tal como a média pouco impressionante de duelos aéreos ganhos (tendo em conta a estatura do defesa) e a baixa percentagem de desarmes realizados com sucesso. Naldo não será responsável solitário pela permeabilidade defensiva do Getafe mas não deixa de sobressair o facto de que nos 30 jogos que realizou apenas em dois os espanhóis não sofreram golos, enquanto que, sem Naldo em campo, o Getafe registou “três folhas limpas” em… oito encontros.

Outro número desanimador num central com a envergadura de Naldo é o fraco registo de remates (apenas seis e um único enquadrado em toda a época) mas que confere com os indicadores da sua carreira: em 152 partidas marcou apenas sete golos o que permite concluir que, por exemplo, as subidas ofensivas nas bolas paradas não serão um ponto forte do seu jogo.


Naldo defronta o conhecido Ghilas, cedido pelo FC Porto ao Córdoba, numa partida da Liga BBVA 14/15 na qual o central brasileiro experimentou visíveis dificuldades

OS “LEÕES” FICAM POR AQUI?

Se somarmos os números pouco vistosos às naturais dificuldades de adaptação de um central de equipa pequena a um futebol de candidato, é legítimo suspeitar da probabilidade de Naldo constituir a solução prioritária que o Sporting procura para o eixo defensivo. E mesmo que Jorge Jesus deposite em Naldo elevadas expectativas, arriscamos a previsão de que o Sporting não ficará por Naldo no que respeita ao reforço do centro da sua defesa, um dos poucos – senão o principal – problemas que afastou os “leões” de voos mais altos na época passada.