O internacional português João Pereira está de regresso Sporting CP. O jogador, formado no Benfica, com passagens ainda por Gil Vicente, SC Braga, Valência e, por último, Hannover, assinou por duas temporadas para colmatar a saída de Cédric Soares para o Southampton.

Notícias correm, ainda, que Miguel Lopes poderá estar de saída do emblema de Alvalade, pelo que ou alguma surpresa está prevista ou não é difícil de prever que João Pereira será mesmo a primeira escolha para a lateral-direita do “leão”. Jorge Jesus, aliás, é um confesso admirador das qualidades do jogador. Depois de o ter orientado no Sp. Braga, o treinador tentou a sua contratação para o Benfica, numa altura em que Maxi Pereira ainda não tinha “explodido” até aos níveis que apresenta hoje. João Pereira acabou no Sporting, depois passou pela Liga espanhola e pela Bundesliga, e regressa agora a Portugal para trabalhar com um técnico que nunca escondeu a admiração pela disciplina táctica e capacidade ofensiva do jogador.

A questão que fica é saber se João Pereira ainda pode dar ao Sporting e a Jorge Jesus aquilo que ambos precisam. Depois de ter caído em desgraça no Valência – curiosamente com a chegada de um  treinador português, Nuno Espírito Santo – e de ter deixado de ser opção na selecção nacional, o lateral mudou-se para o Hannover, onde esteve longe de deixar uma marca profunda. Apenas cinco jogos na Bundesliga em cinco meses não são cartão de visita para um jogador de 31 anos que, como é natural, começou já a lutar contra a ideia de estar em fase descendente da carreira.

Reforços 2015/16 - João Pereira, Sporting CP

Esse primeiro dado, os cinco jogos realizados (quatro a titular), dá a ideia de que este João pereira não é o mesmo que chegou ainda a brilhar em Valência. Comparámos, por isso, a época passada do jogador na Alemanha com o último no emblema “che”, e nota-se uma quebra de produção, talvez natural pelas características da prova e das próprias ambições das equipas em causa.

Dois valores apontam para o contrário do que acabámos de dizer, porém. Na eficácia de passe e no número de intercepções por jogo, João pereira esteve melhor do que nas 25 partidas que fez em 2013/14 pelo Valência, embora tenhamos de levar em consideração que, no que ao passe diz respeito, a eficácia costuma cair com o avolumar do número de entregas, e em 25 jogos, o lateral fez, certamente, muitas mais do que na Alemanha. De resto nota-se uma quebra significativa na eficácia de desarme (43% para 31%) e nos alívios por jogos (2,5 para 1,6). Ofensivamente, foram poucos os jogos realizados na época passada para que possa ser feita uma avaliação rigorosa, mas há algo que se realça e que pode ser abonatório a favor do jogador: as faltas. É conhecida a forma aguerrida como o jogador disputa cada lance, mas na Alemanha, aparentemente, João Pereira recorreu menos à falta no seu jogo, o que pode apontar para um amadurecimento nos processos.

Certamente que a realidade que João Pereira irá encontrar no Sporting, a qualidade do plantel e do treinador, será um ponto a favor do que pode ser a carreira do lateral na sua segunda passagem por Alvalade. Não é difícil prever que a qualidade exibicional irá melhorar. Só o tempo dirá se será o suficiente para as novas exiências do “leão”.