Reforços: “Trintão” Jonas, a solução

O avançado brasileiro traz experiência e opções para Jorge Jesus testar alternativas para Lima e Talisca, ou com ambos.

Jonas chegou “fora de horas” mas promete ser solução (foto: Natursports/Shutterstock infografia: GoalPoint)

Após o fecho do mercado, Jorge Jesus tinha ainda por resolver um grande problema no SL Benfica desta época, continuava a faltar um avançado de qualidade que trouxesse uma lufada de ar fresco à Luz naquele sector.

Jonas foi o escolhido para esta vaga no ataque “encarnado”, jogador que passou as últimas quatro épocas nos espanhóis do Valência, onde normalmente era titular ou saía do banco para o jogo. Este atleta ganhou, enquanto jogava no Brasil, o prémio de Bola de Prata da Liga brasileira e craque do Brasileirão (atacante e artilheiro).

Será este avançado o que a Luz precisa para fazer abanar as redes adversárias? Ou Jonas já está na fase descendente da sua carreira e já não será capaz de se impor no universo benfiquista? Vejamos de forma mais profunda as suas estatísticas.

Apoio com técnica

Jonas tem 30 anos e chega no auge da idade para a sua posição. Poderá trazer bastante experiência ao plantel “encarnado”, e sobretudo qualidades técnicas que ainda não existiam no plantel de Jesus.

É um avançado que na última época fez dez golos e uma assistência, com uma média de 2,8 remates por jogo. Sendo um avançado que normalmente joga ao lado ou nas costas do ponta-de-lança, Jonas é daqueles jogadores que ao receber a bola sabe protegê-la bem e gosta de jogar no apoio de forma a combinar com os colegas. Tem uma eficácia de passe de 78,2%. Jonas disputa muitos lances aéreos por jogo, numa média de 5 por partida, com uma eficácia condizente com a sua estatura média/alta (36%), que compensa com boa impulsão e equilíbrio.

Clique na infografia para ler em detalhe (foto: Natursports/Shutterstock infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (foto: Natursports/Shutterstock infografia: GoalPoint)

 

Reverso da medalha

Um dos aspectos mais negativos deste jogador é o seu jogo defensivo. Sendo que normalmente joga num sistema de dois avançados, é-lhe exigido que tenha um bom comportamento no momento defensivo da equipa, porém Jonas faz apenas 0,3 intercepções, 0,7 desarmes e 0,7 alívios por jogo em média.

Não se trata de um atacante que faça muitos movimentos de rotura, nem tende a descair para nenhum dos corredores. Prefere antes explorar o espaço atrás do ponta-de-lança ou fazer combinações com os seus colegas de equipa.

Aparentemente, Jonas não rende como esperado ao jogar nas costas de outro jogador e a nível de passes para ocasião efectua apenas cerca de 0,7 por jogo e apenas uma média de um cruzamento. É razoável no drible, tem aquele toque de bola curto que tenta o desequilíbrio dos oponentes, mas apenas o consegue fazer com sucesso cerca de 0,6 vezes por partida. Contudo tem uma boa recepção e domínio de bola.

Jonas chega à Luz numa lógica de parceria com benefício mútuo: para o brasileiro será uma oportunidade de brilhar novamente no arranque da fase final da carreira enquanto que o Benfica esperará encontrar em Jonas uma alternativa ou mesmo complemento a Lima, que aparenta ter perdido momentaneamente o faro do golo.

http://youtu.be/ibdeFQjH57A