Rio Ave | Até cair eles sabem 🏅

-

A inda recentemente chamámos aqui a atenção para o facto de João Novais, com apenas 489 minutos jogados na Liga NOS, já ser o homem com mais golos de fora da área (quatro) e de livre directo (dois), de todo o campeonato.

Numa altura em que talvez a única coisa que faltava aos vila-condenses era uma maior capacidade de acertar na baliza, o médio-ofensivo aproximou, e de que maneira, a equipa do golo, registando uma média de 1,8 disparos enquadrados a cada 90 minutos.

[vc_table vc_table_theme=”simple”][bg#000000;c#ffffff;align-center]%23,[bg#000000;c#ffffff]Jogador,[bg#000000;c#ffffff]Equipa,[bg#000000;c#ffffff;align-center]Remates%20enquadrados|[align-center]1,Jonas,Benfica,[align-center]2%2C4|[align-center]2,Marega,Porto,[align-center]2%2C0|[align-center;b]3,[b]Jo%C3%A3o%20Novais,[b]Rio%20Ave,[align-center;b]1%2C8|[align-center]4,Salvio,Benfica,[align-center]1%2C8|[align-center]5,Ricardo%20Horta,Braga,[align-center]1%2C8|[align-center]25,Guedes,Rio%20Ave,[align-center]1%2C0[/vc_table]

Mínimo de 489 minutos jogados na Liga NOS 17/18
Fonte: GoalPoint / Opta

Como se pode ver na tabela acima, só o melhor marcador do campeonato, Jonas, e Moussa Marega acertam mais na baliza do que o gaiense, assim como impressiona a diferença para Guedes, o habitual ponta-de-lança da equipa. Estes 1,8 remates enquadrados por jogo resultam dos 4,4 totais, média que, neste caso, só é superada por Jonas (4,7).

Se isto serve para deixar clara a preponderância que João Novais ganhou na equipa, falta ainda suportar com números a sua qualidade nos livres directos.

[vc_table vc_table_theme=”simple”][bg#000000;c#ffffff;align-center]%23,[bg#000000;c#ffffff]Jogador,[bg#000000;c#ffffff]Equipa,[bg#000000;c#ffffff;align-center]Livres%20directos,[bg#000000;c#ffffff;align-center]%25%20Enquadrados,[bg#000000;c#ffffff;align-center]%25%20Convertidos|[align-center;b;u]1,[b;u]Jo%C3%A3o%20Novais,[b;u]Rio%20Ave,[align-center;b;u]1%2C3,[align-center;b;u]86%25,[align-center;b;u]29%25|[align-center]2,Rafael%20Costa,Moreirense,[align-center]1%2C1,[align-center]40%25,[align-center]0%25|[align-center]3,Renan%20Bressan,Chaves,[align-center]0%2C6,[align-center]29%25,[align-center]0%25|[align-center]4,Salvador%20Agra,Aves,[align-center]0%2C6,[align-center]25%25,[align-center]0%25|[align-center]5,Paulo%20Machado,Aves,[align-center]0%2C6,[align-center]40%25,[align-center]0%25[/vc_table]

Mínimo de 489 minutos jogados na Liga NOS 17/18
Fonte: GoalPoint / Opta

A cada jogo são de esperar 1,3 livres directos de João Novais. Até agora foram sete no campeonato, sendo que seis deles acertaram na baliza e dois resultaram em golo. Nenhum outro jogador apresenta eficácia sequer semelhante ao do “camisola 17”, e o astuto Miguel Cardoso percebeu que essa era uma arma a ser explorada.

Para que Novais tenha a oportunidade de pôr em prática o seu maior talento, são precisos jogadores capazes de ganhar faltas em zonas perigosas do terreno, e o Rio Ave tem dois dos melhores da Europa nesse particular.

GoalPoint-Melhores-da-Europa-201718-Faltas-Sofridas-Ultimo-Terço-infog
Clique para ampliar

 

Francisco Geraldes conquista 1,7 faltas em zonas perigosas a cada 90 minutos, registo que só é igualado por… Neymar, e ainda há Rúben Ribeiro, também neste “top 5”.

Se esta característica já era inata nos dois jogadores, e é-o habitualmente em futebolistas de qualidade (como se pode constatar pela companhia que têm no “top 5”), refira-se que tal começou a vir ainda mais ao de cima a partir do momento em que João Novais ganhou a titularidade, na décima jornada. Nos primeiros nove jogos, apenas por duas vezes o Rio Ave tinha conquistado seis ou mais faltas no último terço do terreno, e desde que João Novais é titular tal aconteceu em metade dos jogos.

É apenas mais uma prova, entre muitas outras que temos referido ao longo da época, da qualidade estratégica deste Rio Ave. Poucos treinadores em toda a Europa exponenciam ao máximo a qualidade dos seus jogadores como tem feito Miguel Cardoso, e a sua astúcia verifica-se estatisticamente nos mais variados detalhes.

Com falta de soluções de qualidade na posição de ponta-de-lança, o técnico soube lançar um médio que raramente tinha sido aproveitado na Primeira Liga, encontrou o caminho do golo para a sua equipa e soube pôr os seus mágicos, Chico Geraldes e Rúben Ribeiro, a “trabalhar”, também, para o pontapé-canhão de Novais. Até saber cair pode ser uma arte, e este Rio Ave é mesmo das mais bonitas “obras” que aconteceu em Portugal nos últimos anos.

Hernâni Ribeiro
Hernâni Ribeiro
Formado em estatística e gestão de informação, e Data Scientist profissional. É Head of Analytics na GoalPoint e responsável pela GoalPointPro
GoalPoint

GRÁTIS
BAIXAR