Um fenómeno verdadeiramente interessante tem vindo a ocorrer na Vila das Aves esta temporada. Rodrigo Soares, brasileiro de 26 anos que os Avenses resgataram ao FC Porto no Verão de 2017, é o único jogador fora dos quatro primeiros a conseguir cinco presenças em “onzes” da jornada, e está a destacar-se de forma ímpar.

O lateral da equipa de Augusto Inácio é, entre Liga NOS e as Ligas “top 5” europeias, o defesa que realiza mais passes para finalização por 90 minutos (3,3), e com uma diferença considerável para o segundo, Alex Telles (2,9), seguido pelo trio alemão composto por Joshua Kimmich, Philipp Max e Marcel Halstenberg. O volume de criação do brasileiro é verdadeiramente impressionante. Para contextualizar o feito, existem apenas 12 jogadores neste seis campeonatos com mais de três passes para finalização por 90 minutos. Rodrigo não só é o único defesa, como é o único nome da lista avaliado (muito) abaixo de €20M segundo o site Transfermarkt.

GoalPoint-Melhores-da-Europa-201819-Defesas-PassesParaFinalizacao
Clique para ampliar

Apesar de se mostrar com qualidade em momentos de bola corrida – com números saudáveis tanto ao nível do cruzamento como do último passe -, Rodrigo apresenta-se como especialista em deixar colegas em situação de remate através de bolas paradas. Desses 3,3 passes para finalização, 2,1 ocorrem através destas situações – tornando-o mesmo no terceiro jogador na Europa com mais passes para finalização de bola parada. À sua frente só o nosso bem conhecido Alex Telles e o francês Dimitri Payet, que vem sendo um dos melhores do mundo neste detalhe do jogo há várias temporadas.

A influência no jogo colectivo

O facto de o lateral-direito da equipa que se encontra no 16° lugar da Liga NOS estar envolvido no meio de tantos nomes de elite numa estatística tão importante, não é só extraordinário de um ponto de vista individual, como também terá sempre ter repercussões colectivas.

GoalPoint-Portuguese-Primeira-Liga-2018-Rodrigo-Soares-infog
Clique para ampliar

O Aves é a quinta equipa com mais remates da Liga (13,4) e, para isso, muito contribui Rodrigo Soares – o último passe para cerca de 25% dos remates da equipa sai dos seus pés. Com nove golos de bola parada, os avenses são o quinto conjunto com mais golos deste tipo no campeonato (atrás de Porto, Braga, Santa Clara e Benfica) e o que mais dependente deste lances – 39% dos seus golos ocorrem a partir destes lances, mais que qualquer outra equipa na Liga NOS. No que toca a cantos, só Benfica e Porto demonstram uma média maior que a de 40% de cantos eficazes do Aves.

A chegada de Augusto Inácio aparenta ter colocado Rodrigo (e a equipa) numa rota ainda mais ascendente. Nas últimas cinco partidas, o brasileiro está com uma média de 5,2 passes para finalização por 90 minutos. A mudança para um sistema de três defesas centrais implementada por Inácio foi também benéfica, pois dá ao lateral maior liberdade para subir no terreno e influenciar o jogo ofensivamente. Por outro lado, o defesa-central extra oferece mais uma “torre-alvo” à qual apontar nos lances de bola parada. Algo reflectido principalmente nos cantos: nos últimos cinco jogos, a equipa regista 54% de cantos eficazes (máximo da Liga) e marcou mesmo três dos seus cinco golos através destas jogadas. Naquele que é um momento do jogo cada vez mais trabalhado, o Aves vai “voando” bem acima da concorrência, e Rodrigo é “asa” que melhor bate.