Desde que, no final da época 2014/2015, tivemos a iniciativa de começar a premiar os melhores treinadores em Portugal da forma mais objectiva possível, recorrendo às odds atribuídas pelos mercados de apostas, apenas por uma vez nas últimas quatro temporadas o prémio de treinador do ano tinha recaído num técnico dos “três grandes”. Foi logo na primeira edição do RTG que Jorge Jesus (à altura no Benfica) arrecadou o “troféu”.

Nas épocas seguintes, os premiados da Liga NOS foram:

Em todos os casos os vencedores conseguiram pontuações absolutamente esmagadoras, fruto de épocas muito acima do esperado por parte das suas equipas, dentro das várias competições em que estiveram envolvidos.

Em 2018/2019 não foi bem assim. Na realidade, os três primeiros classificados do ranking terminaram também nas três primeiras posições do campeonato, algo nunca visto neste prémio. Mas vamos então conhecer como ficou ordenada a classificação final do RTG.

23º a 25º Dois despromovidos e uma desilusão

RTG-Final-20182019-PrimeiraLiga-Classificao-23-25

Sem grande surpresa, encontramos nos dois últimos lugares dois treinadores que acabaram despromovidos. José Mota começou a época no Aves, clube que tinha ajudado a salvar na temporada passada e que até levou à conquista da Taça de Portugal, mas acabou demitido em Janeiro quando a equipa se encontrava no penúltimo lugar. Contratado pelo Chaves, também não conseguiu a salvação. Uma época com pouco para lembrar.

Quanto a Costinha, que vinha de uma época bastante positiva na Segunda Liga, quase inverteu os 1781 pontos que acumulou em 17/18.

António Folha acaba por ser a maior surpresa deste lote. O Portimonense partiu muito bem cotado, com um plantel bastante acima da média, e o 11º lugar, com apenas sete pontos a mais do que o Chaves, acaba por ser uma desilusão, pois o desempenho nas Taças foi igualmente pobre, caindo aos pés de Rio Ave (Taça da Liga) e Cova da Piedade (Taça de Portugal), sempre na primeira eliminatória.

18º a 22º Três demitidos e o melhor na Taça da Liga

RTG-Final-20182019-PrimeiraLiga-Classificao-18-22

Neste lote de cinco treinadores aparecem desde logo os dois timoneiros do Feirense ao longo da época. Filipe Martins substituiu Nuno Manta em Janeiro, mas não conseguiu melhorar a pontuação do seu antecessor.

Cláudio Braga e Jorge Simão foram dos primeiros treinadores a ver o seu trabalho interrompido pelo “chicote” e a sua pontuação reflecte isso mesmo. Ambos quererão fazer melhor na próxima oportunidade, tal como Pêpa, que vai abandonar o Tondela. O treinador cumpriu os objectivos de manter o clube na Liga NOS, mas após o 11º lugar da época passada, era esperado melhor por parte dos beirões. Uma palavra, no entanto, para a boa campanha na Taça da Liga. Com 181 pontos, Pêpa fez a melhor pontuação da prova, fruto de três vitórias em quatro jogos, algumas bem complicadas como em Guimarães e Setúbal.

a 17º Grande pelotão com o rei de 17/18

RTG-Final-20182019-PrimeiraLiga-Classificao-9-17

Apesar da presença de dois treinadores demitidos pelos “grandes”, José Peseiro e Rui Vitória, este é o lote dos homens que não deslumbraram, mas também não estiveram muito abaixo do esperado.

A destacar aqui há o curioso trajecto de Daniel Ramos, com pontuações bem díspares entre campeonato e Taças. O técnico deixou Chaves com o clube na última posição, mas também em prova em ambas as Taças, sem ter perdido nenhum jogo. Foi ainda o treinador que registou o maior número de grandes surpresas positivas (11) ao longo da época, com destaque para a vitória no Bessa e o empate no Dragão (com o Chaves) e vitória em Portimão, já como treinador do Rio Ave.

No outro lado do espectro das surpresas esteve Luís Castro. O Vitória terminou no quinto lugar e a época acabou por ser positiva, mas o treinador dos vimaranense foi o que mais grandes percalços acumulou (oito). As derrotas em casa contra Feirense e Aves (campeonato) e Tondela (Taça da Liga) foram alguns desses percalços.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: OS MELHORES DA LIGA NOS