Quem foi o melhor treinador da época em Portugal? A pergunta é simples mas tem várias respostas. É difícil encontrar um consenso. Os adeptos dividem-se dentro dos próprios clubes e até os presidentes balançaram até à última na altura de decidir entre a continuidade ou a mudança.

Há quem defenda que são os troféus que contam. Jorge Jesus e Marco Silva sorriem porque festejaram e a imagem de Julen Lopetegui sai queimada, porque não ganhou nada e falhou nos momentos decisivos. Mas a época é longa e, nomeadamente na Champions, o espanhol também teve os seus momentos altos. E o que dizer dos outsiders? Sérgio Conceição, Rui Vitória, Lito Vidigal… todos com excelentes  trabalhos.

Qual será então maneira correcta de os ordenar e saber quem foram os melhores? No Goalpoint não temos a fórmula mágica. Mas fomos à procura de uma, ou pelo menos de uma aproximação. E é aqui que nasce o Ranking de Treinadores GoalPoint (RTG).

Confira quem valorizou mais o plantel em 2014/15
Clique para conferir quem valorizou mais o plantel em 2014/15

No meio de toda a subjectividade da análise há uma fonte que, por mexer com dinheiro, nos traz um alto grau de rigor: as casas de apostas. Para cada jogo as odds reflectem aquilo que se julga à partida serem as probabilidades de cada resultado acontecer. Ora é fácil extrapolar a partir daí o grau de dificuldade de um jogo para cada treinador. Passemos a um exemplo concreto:

Já vai distante, mas o campeonato começou com um FC Porto – Marítimo. Lopetegui encontrava Leonel Pontes e as casas de apostas davam ao FC Porto 79% de hipóteses de vencer, 15% de empatar e 6% de perder. De acordo com o nosso critério, Lopetegui, vencendo o jogo, somaria 21 pontos para o ranking. Eles são encontrados somando as probabilidades que o espanhol teria de não ganhar. Já Leonel Pontes, se vencesse no Dragão, somaria pelo mesmo critério 94 pontos, o que faz sentido porque o jogo era bem mais difícil para o madeirense. Em caso de empate subtrai-se a probabilidade de ganhar à de perder, ou seja, Lopetegui seria penalizado com -73 pontos e Leonel Pontes somaria neste caso os mesmos 73, mas positivos.

A partir daqui é só aplicar esta fórmula a todos os jogos e ordenar. Tivemos apenas um último cuidado. Visto que as competições não são encaradas todas com a mesma importância atribuímos um ponderador de acordo com a relevância dada a cada competição pela maioria dos treinadores.

PROVA (FACTOR DE PONDERAÇÃO)
Liga NOS (4)
Competições Europeias (3)
Taça de Portugal (2)
Taça da Liga (1)

Avançamos então a percorrer o ranking dos melhores treinadores 2014/15.

26º ao 20º: DESILUSÕES EM AROUCA E SETÚBAL

Pedro Emanuel (foto: J. Trindade)
Pedro Emanuel (foto: J. Trindade)

Não foi por acaso que o chicote estalou sobre cinco dos sete treinadores que ocupam os últimos lugares do Ranking de Treinadores GoalPoint e que três acabaram por ficar com uma despromoção associada ao currículo. Só o último lugar de Pedro Emanuel poderá causar alguma estranheza, visto que na prática o treinador do Arouca conseguiu o objectivo pretendido, mas é preciso levar em conta que o fez com uma pontuação muito baixa. Os 28 pontos teriam dado despromoção em qualquer dos últimos campeonatos a 18 equipas, algo que reflecte, e de que maneira, o fraco desempenho dos arouquenses.

RTG-21415---20a26

Destaque ainda para José Couceiro, que depois de uma boa época em Setúbal é o único da nossa lista a apresentar um desempenho negativo em todas as competições nas quais esteve envolvido.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: DO 19º AO 13º “MISTER”