A experiência não foi um posto em Abril. O melhor treinador na Liga NOS foi também o mais jovem, enquanto na Segunda Liga o premiado foi um “mister” com apenas 15 jogos ao serviço de equipas seniores.

Liga NOS: Pêpita de ouro

Muito se tem falado ultimamente de Pêpa e do seu Tondela, nem sempre com as melhores intenções, mas o mais jovem técnico da Primeira Liga, com apenas 37 anos, tem estado à altura das circunstâncias. Mais pressão, menos pressão, mais má fé, menos má fé, Pêpa tem resistido a tudo, e além de ter selado a manutenção em Abril, foi vencer à Luz naquela que foi a maior surpresa da Liga NOS 17/18, segundo as probabilidades atribuídas pelas casas de apostas. Dos 763 pontos que somou este mês, 387 foram arrecadados à custa desse resultado, mas, nos outros três jogos, contra Portimonense, Rio Ave e Aves, também não perdeu. Na próxima jornada o Tondela recebe o Vitória de Guimarães e, se vencer, ultrapassa os vitorianos na classificação. Alguém imaginava isto no início da época?

Em segundo lugar ficou Jorge Jesus, num mês de Abril que foi tudo menos fácil para os lados de Alvalade. No meio do caos que se instalou, Jorge Jesus mostrou nervos de aço e soube unir mais que nunca os jogadores à sua volta, somando seis vitórias em outros tantos jogos, após a derrota em Madrid. Assim, subiu três lugares na classificação geral e já chegou ao pódio do RTG 17/18.

Quem continua a operar “pequenos milagres” é Nuno Manta. O melhor treinador da época passada chegou a parecer condenado à descida de divisão, mas duas vitórias sobre os dois Vitórias, a juntar a um empate contra o Braga, voltaram a mostrar a luz ao fundo do túnel que o Feirense bem precisava. Nuno Manta já é o treinador com a maior quantidade de resultados muito positivos (sete).

RTG-Abril-2018-PrimeiraLiga-Classificao
Clique para ampliar

O destaque pela negativa vai para Vítor Oliveira, que somou apenas um em 12 pontos possíveis em Abril. O momento mais baixo foi a derrota caseira contra o Estoril.

Na próxima página: o melhor da LedMan LigaPro e o “quadro de honra”