Ainda agora terminou o mês de Janeiro e começa a ficar cada vez mais claro qual é o técnico mais consistente da Liga NOS 17/18. Como se não bastasse a boa forma nas conferências de imprensa, Abel Ferreira já vai no seu terceiro prémio mensal em apenas seis possíveis, e já conta quase mil pontos de avanço sobre o segundo classificado.

Liga NOS: Abel chega à dose tripla

Num mês bastante preenchido, onde o calendário competitivo foi composto por Liga NOS, Taça de Portugal e Taça da Liga, o Braga focou-se exclusivamente no campeonato e venceu quatro das cinco jornadas que disputou. A única derrota surgiu contra um dos “melhores Benficas” da época, e Abel Ferreira arrecada assim o seu terceiro prémio RTG 2017/2018. Rio Ave e Boavista, duas equipas da primeira metade da tabela, foram algumas das vítimas de um Braga que se reforçou e não perdeu ninguém no mercado de Inverno, prometendo estar ainda mais forte na segunda fase da época.

Envolvido na Taça da Liga até à final, José Couceiro e o seu Vitória ficaram em segundo lugar na tabela de Janeiro, e tiveram o seu melhor mês da época. Em Janeiro, os sadinos não perderam nenhum jogo, a não ser no desempate por grandes penalidades, e empataram duas vezes com o líder do campeonato, Sporting.

Na terceira posição aparece um recém-chegado à Liga NOS, João Henriques. O ex-treinador do Leixões substituiu Petit no comando do Paços de Ferreira, e teve impacto imediato, vencendo os dois jogos que disputou, na Vila das Aves e contra o Feirense. João Henriques confirma assim a boa campanha que já estava a realizar em Matosinhos, visto que ainda ocupa o terceiro lugar no RTG da Ledman LigaPro.

RTG-Janeiro-2018-PrimeiraLiga-Classificao
Clique para ampliar

O destaque negativo no mês de Janeiro vai para Lito Vidigal, que acabou demitido após duas derrotas caseiras consecutivas, contra Moreirense e Paços de Ferreira. Daniel Ramos não venceu nenhum dos jogos que disputou em Janeiro e cedeu o primeiro lugar da classificação geral a Abel Ferreira.

Na próxima página: o melhor da LedMan LigaPro e o “quadro de honra”