Não é a primeira vez que escrevemos sobre André Silva, mas com seis golos e uma assistência no arranque pela equipa B do FC Porto o jovem avançado (19 anos) tornou-se, novamente, no tema do contexto das jovens promessas nacionais em processo de (iminente) ascensão.

André não é um desconhecido para quem segue o futebol de formação. O avançado foi internacional em todos os escalões, dos Sub-16 aos Sub-20 e já se estreou pelos Sub-21 numa partida em que… apenas completou um hat-trick.

Face a tão generoso processo de ascensão é caso para manter a “lupa” sobre André, que passou pelo Salgueiros e Padroense, antes de integrar os escalões de formação “azuis-e-brancos” ameaçando agora tornar-se no primeiro “produto” de classe internacional oriundo do Olival desde Sérgio Conceição, Ricardo Carvalho e Bruno Alves, nenhum deles um avançado centro.

UM PERFIL “PERFEITO”

André Silva tem a fisionomia e estatura (1,85m) perfeitas para a posição que ocupa, num perfil de avançado possante q.b. mas suficientemente ágil e dinâmico para outros voos, integrados na manobra colectiva.

Ao porte eficaz nas disputas, pelo solo ou pelo ar, André junta uma elegância de jogo invulgar, que há muito tempo não se via num avançado português, tanto como presença fixa na área como livre para explorar os espaços entre os defesas. Dinâmica, força, inteligência e qualidade técnica, predicados reunidos à espera da explosão definitiva.

PONTOS FORTESPONTOS DE MELHORIA
FinalizaçãoPosicionamento na fase defensiva
Recepção e controlo de bolaRecuperação de posição nas transições
Jogo aéreoJogo em apoio, na espera do ataque de segunda vaga
Inteligência na movimentação na grande área
Morfologia

GESTÃO DE TALENTO INATO

Lopetegui tem nas mãos um diamante em bruto, quer para o seu clube, quer para a selecção portuguesa. E se o FC Porto parece bem servido com Vincent Aboubakar, já a equipa das quinas permanece órfã de um homem de área de classe indiscutível.

Para cumprir a “promessa” André Silva necessita jogar todos os minutos disponíveis, quer na equipa B dos “dragões”, quer já na equipa principal, caso o treinador espanhol decida oferecer-lhe essa possibilidade, como sucedeu a época passada com Gonçalo Paciência.

O avançado vive o período decisivo, no qual pode potencial ao máximo as suas capacidades ao mais elevado nível competitivo disponível, um cenário que exemplifica as vantagens que já teve e pode continuar a ter o enquadramento das equipas B no segundo escalão do futebol profissional para o futebol nacional. Aproveite André esse contexto e saiba Julen Lopetegui orientar o seu crescimento e os benefícios serão incontornáveis para o atleta, clube e selecção nacional.

Nome: André Silva
Clube: FC Porto
Nacionalidade: Portuguesa
Nascimento: 1995-11-06 (19 anos)
Posição: Ponta-de-lança
Pé preferencial: Direito
Altura: 1,85m
Peso: 79 kg
Valor de mercado: Aprox. 850 mil euros
Contrato até: 30/06/2019

Recomendação GoalPoint*: clube do segmento alto que aposte em jovens.

 

* Recomendação GoalPoint

a recomendação GoalPoint consiste no perfil de clube destino que a GoalPoint Partners considera mais adequado ao desenvolvimento e confirmação do potencial do jogador no momento de carreira em que é por nós analisado. Eis a definição dos segmentos abordados.

Segmento alto – equipas que lutam pelo título nas cinco principais Ligas europeias (Inglaterra, Espanha, Itália, França e Alemanha)

Segmento médio/alto – equipas que disputam as cinco principais Ligas europeias e/ou disputam o título nas Ligas de projecção europeia (Holanda, Portugal, Bélgica, Grécia, Turquia, Rússia, Suíça)

Segmento médio – equipas que disputam Ligas de projecção europeia

Segmento médio/baixo – equipas que disputam a permanência nas Ligas de projecção europeia ou a segunda Liga dos principais campeonatos europeus

Segmento baixo – equipas que disputam a segunda Liga nas Ligas de projecção ou quaisquer outras Ligas europeias (que não as principais ou de projecção)