Sony abandona patrocínio da FIFA

A Sony é o segundo patrocinador a virar costas à FIFA, após a Emirates. Coca-Cola e Adidas já manifestaram preocupações com as alegações de corrupção associadas ao Mundial de 2022.

A ligação entre a Sony e a FIFA, que dura desde 2006 , tem os dias contados
A ligação entre a Sony e a FIFA, que dura desde 2006 , tem os dias contados

A associação entre a Sony e as maiores provas internacionais de futebol, através da marca Playstation e, em particular, do Mundial de futebol, será em breve uma recordação do passado. A marca japonesa estava associada ao organismo máximo do futebol mundial desde 2006, num patrocínio estimado em cerca de 280 milhões de euros. O acordo entre as partes termina no dia 31 de Dezembro de 2014 e, ao contrário dos rumores iniciais, a Sony não pretende renovar o acordo. São várias as razões para a decisão do patrocinador, a começar pela opção declarada recentemente pela reestruturação interna e foco do investimento no segmento mais rentável da marca (Entretenimento/Consolas) e também o receio do aumento dos valores de patrocínio.

No entanto, e sendo a Sony já o segundo patrocinador a virar costas à FIFA (o primeiro foi a Emirates), e ao mesmo tempo que outros patrocinadores como a Coca-Cola e Adidas vão assumindo publicamente preocupação com o tema, é provável existir uma ligação entre o súbito desinteresse das marcas há muito associadas à FIFA e as alegações de corrupção associadas à atribuição do ainda distante Mundial 2022 ao Qatar.