O Sporting CP venceu o Estoril Praia por 1-0 perante cerca de 40 mil “leões”, isolando-se (ainda que provisoriamente) ainda mais na liderança da Liga NOS, num jogo que muitos adeptos esperariam mais acessível mas que os comandados de Fabiano Soares souberam vender caro.

Perante a ausência de Adrien (que se fez notar no número de disputas ganhas), Jorge Jesus colocou João Mário novamente no miolo, lançando Gelson na ala direita. No eixo defensivo a indisponibilidade de Naldo abriu também caminho a Ewerton ao lado de Paulo Oliveira, no 4-4-2 tradicional desta época.

Os estorilistas, não contando com o influente Léo Bonatini, lançavam Bruno César como maior dor de cabeça para os “leões”, apoiado em Gerso e Dieguinho.

SUSTOS A ABRIR

O apito inicial mostrou um Estoril pouco impressionado com o ambiente das bancadas e não fosse a falta de pontaria de Dieguinho e os reflexos de Rui Patrício e o Sporting podia ver-se bem cedo em desvantagem, naquelas que foram as duas melhores ocasiões de um primeiro tempo que terminaria com mais remates enquadrados para os visitantes do que para os líderes da Liga (1-2).

Apesar do maior domínio leonino (73% de posse) o Estoril mostrava-se sempre atrevido e mais aguerrido, vencendo mais duelos individuais, uma tendência que se manteria durante quase toda a partida e à qual não é estranha a ausência de Adrien, o maior recuperador de bolas dos “leões” na prova até à nona jornada (3,2 desarmes a cada 90 minutos).

> NA PRÓXIMA PÁGINA: A DECISÃO CHEGA ATRAVÉS DA “MARCA”