O Sporting venceu o Besiktas de Ricardo Quaresma por 3-1 juntando-se a FC Porto e SC Braga na próxima fase da Liga Europa, com sorteio agendado já para o próximo dia 14 (segunda-feira). Apesar do marcador e das estatísticas finais, os “verde-e-brancos” fizeram sofrer os seus adeptos e as situação esteve “turca”. Eis os Ratings do encontro, seguidos de algumas notas e os destaques individuais do encontro.

UEL 2015/16 - Fase de Grupos - J6 - Sporting vs Besiktas - Ratings
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

O Sporting viveu boa parte do encontro dando a impressão de que eram os visitantes que precisavam vencer para passar: tímido, apático e pouco objectivo, o “leão” não conseguia sequer manter o domínio da posse que o tem caracterizado durante quase toda a época, até que… Slimani (quem mais poderia ser?), já após o golo do Besiktas que parecia condenar os “verde-e-brancos”, contou com a colaboração do guardião Zengin e galvanizou a equipa para uns últimos 20 minutos de afirmação, devidamente “vitaminados” por um Gelson que rendeu Montero ao intervalo. A partir desse momento, e até final, assistiu-se à quebra turca, acompanhada em paralelo pelo rugido leonino, com um Teo Gutiérrez saído do banco a (finalmente) mostrar o que se espera dele, já após Ruiz dar a vantagem aos “leões”.

Um Barbosa sem croissants

A comparação do título pode ser exagerada mas não deixará de fazer sorrir o adepto leonino, satisfeito. Bryan Ruiz voltou a cotar-se como a melhor aquisição do Sporting neste defeso, mostrando grande influência: o costa-riquenho já era o melhor antes de o “leão” acordar, assim continuou após os colegas decidirem ajudar. Um golo e uma assistência são apenas uma coroa numa exibição muito positiva do experiente fantasista que, tal como Barbosa, não impressiona pela velocidade, mas compensa com a qualidade de execução e de raciocínio “com bola”.

No plano negativo o foco vai para William Carvalho, muito longe (pelo menos neste encontro) do seu melhor. Não nos recordávamos, inclusive, de ver o “6” leonino terminar um jogo com uma eficácia de passe tão baixa (76,8%, perdeu 18 vezes a posse, tantas como Jefferson, mas num lateral é um valor normal), mesmo tendo em conta que o pressing turco no “miolo” nunca lhe facilitou a vida, assim como sucedeu com Adrien. Melhores jogos virão também para Quaresma que, apesar da assistência e outra “trivela”, perdeu a posse em 20 ocasiões, um desempenho muito abaixo do seu congénere de ala, Sahan.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS