O Sporting venceu a “aflita” Académica por 3-2, em mais uma partida que revelou um estanho sofrimento leonino na hora de bater as equipas teoricamente mais acessíveis da Liga, num jogo marcado por alguns “casos” de arbitragem que escapando à nossa análise, certamente irão alimantar a “novela” da nossa Liga.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 20 -  Sporting vs Académica
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

O Sporting somou o terceiro jogo consecutivo  em que se apanhou a perder em casa, e também o terceiro em que Jesus optou por retirar William Carvalho ao intervalo, embora desta feita o “leão” já se encontrasse na frente do marcador ao intervalo. Os estudantes abriram a contagem mas após 10 remates o Sporting lançava-se no segundo tempo mais tranquilo, tão tranquilo que permitiu o empate num raro lance ofensivo visitante e numa altura em que somava apenas um remate nos segundos 45 minutos. O “susto” lançou novamente os “verde-e-brancos” na ofensiva, com o oportuno Montero, lançado no segundo tempo, a mostrar-se decisivo, como sucede muitas vezes quando chamado pelo “mestre da táctica”. O “leão” voltou a vencer com sofrimento, num jogo que apesar da “polémica do apito” complementa outro registo estatístico que deverá preocupar o líder: em três jogos caseiros o Sporting permitiu seis golos.

Adrien, o “patrão” de sempre

Com algumas novidades no “onze” os sportinguistas viram Carlos Mané mostrar-se, pela primeira vez esta época, com duas assistências, acompanhado por um Bryan Ruiz que mostrou a Jesus a sua posição ideal (a mesma que referimos à sua chegada). A ala direita foi também particularmente influente, com o já habitual João Mário e João Pereira (em crescendo) a municiarem muito do jogo ofensivo dos “leões”. O decisivo Montero conseguiu também somar, em 24 minutos, três remates e três passes para ocasião (além do golo), voltando a reclamar maior protagonismo.

Mas a liderar” o pride surge o inevitável “patrão”, Adrien Silva: 1 (fantástico) golo, 100 passes,  96% deles certos, dão conta, entre outros dados (vide infografia) da preponderância do capitão no fio de jogo leonino. Ainda alguém se lembrará que este é o mesmo jogador que, há alguns anos, foi ostensivamente assobiado pelo estádio que agora o aplaude, agradecido? É a magia do futebol.

Adenda metodológica: inicialmente a Opta atribuiu a Nascimento segundo golo da Académica. Após a habitual auditoria que o nosso parceiro realiza à análise estatística do jogo o golo foi correctamente atribuído a Ewerton e retirado um remate enquadrado aos estudantes. Uma correcção que atesta a qualidade e rigor do trabalho estatístico sem paralelo que realizamos.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS