Sporting 🆚 Ajax | “Poker” de Haller chama leão à realidade

-

O Sporting regressou à Liga dos Campeões da pior maneira. Na recepção ao Ajax, os comandados de Rúben Amorim foram goleados por 5-1, numa partida em que abriram uma autêntica auto-estrada no flanco esquerdo para Antony trilhar e no meio para Sébastien Haller fazer um “poker”, com a maior tranquilidade possível. Uma partida que deixou a nu as fragilidades do campeão nacional, incapaz de lidar, mental e tacticamente, com as exigências de um jogo que teve como adversário um emblema habituado a estas andanças e que não tremeu.

GoalPoint-Sporting-Ajax-Champions-League-202122-Ratings
Clique para ampliar

Nem deu para ter esperança

O jogo levava apenas 1’08” quando Antony flectiu da direita para o meio e rematou com o pé esquerdo (nós avisámos), a bola sofreu um desvio e embateu no poste. Sébastien Haller aproveitou e emendou de cabeça. Pior ficou tudo aos nove minutos, novamente com Antony na jogada a assistir Haller para o 2-0. Quatro remates, três enquadrados, dois golos. Respondeu o Sporting e Paulinho reduziu aos 33 minutos, num remate que fez a bola passar por entre as pernas de Remko Pasveer.

Nesta altura já o Sporting havia realizado uma substituição forçada, com a saída de Gonçalo Inácio, lesionado, para a entrada de Ricardo Esgaio para central. Mas não foi pelo seu lado (o direito) que o Ajax fez o 3-1, foi novamente pelo esquerdo, com Antony a fazer o que quis, a servir Gravenberch e este a assistir Steven Berghuis (39′). Primeira parte para esquecer do “leão”, que tinha Matheus Nunes como o seu melhor elemento.

Inversão de papéis no arranque da segunda parte. Logo no segundo minuto Paulinho marcou de cabeça… mas o lance foi anulado por fora-de-jogo. Na resposta o 4-1 para os “lanceiros”, novamente Antony a cruzar da esquerda, de “trivela”, para o “hat-trick” de Haller (51′). A entrada de Matheus Reis para o lugar de Rúben Vinagre não resolveu o problema leonino na esquerda. E o “poker” surgiu, com Haller (63′) a receber de Mazraoui em zona frontal e a marcar. O Sporting nunca soube lidar com as combinações em progressão da formação dos Países Baixos e caiu vergado a uma goleada das antigas. Para o processo de aprendizagem.

[ O futebol envolvente do Ajax expresso no mapa de passes ]

GoalPoint-Sporting-Ajax-Champions-League-202122-pass-network
Clique para ampliar

O MVP GoalPoint👑

Irresistível. O ponta-de-lança Sébastien Haller (em tempos associado ao Sporting) arrasou por completo o “leão”, aproveitando os muitos erros defensivos da equipa portuguesa, num tratado de como ocupar os espaços entre os defesas contrários, fugindo à marcação. O GoalPoint Rating de 9.7 mostra uma exibição de roça a perfeição, com quatro golos em cinco remates – todos os enquadrados entraram -, 11 passes aproximativos recebidos – o que demonstra a incapacidade leonina para impedir o atacante de ser servido -, mas também seis duelos aéreos ganhos em dez.

Outros  Ratings 🔺🔻

Destaques do Sporting

Matheus Reis 5.8 – Rúben Vinagre estava “aos papéis” perante Antony, pelo que ao intervalo, Amorim lançou o brasileiro para o lugar do português. A verdade é que o Sporting ainda sofreu mais um golo por esse flanco, mas no final, Matheus acabou por tranquilizar o lado esquerdo e foi o “leão” com melhor rating, com registou para três dribles completos (100% de sucesso), quatro recuperações de posse e um corte decisivo.

Paulinho 5.6 – Que pena aquele golo anulado num cabeceamento espectacular. Seria o bis do atacante luso, que fez o golo leonino e foi dos mais inconformados, com três remates, cinco acções com bola na área contrária e dois duelos ofensivos ganhos em três.

Neto 5.6 – O experiente defesa foi dos mais sólidos do “leão, com destaque para seis intercepções, máximo do jogo, e completou 91% dos 43 passes que realizou.

Matheus Nunes 5.5 – O melhor elemento do Sporting na primeira parte, a queimar linhas, a fazer passes de risco. Foi dele a assistência para o golo de Paulinho, tendo feito um total de dois passes para finalização, completado quatro de oito tentativas de drible e somado cinco conduções aproximativas.

Ricardo Esgaio 5.3 – Lançado a meio da primeira parte para o lugar do lesionado Gonçalo Inácio, Esgaio foi adaptado a central e não teve vida fácil. Destaque para seis recuperações de posse e três bloqueios de passe/cruzamento.

Daniel Bragança 5.3 – Entrou para os últimos minutos para manter a bola na posse do Sporting, mas a sua acção não teve verdadeiro impacto no jogo

Pablo Sarabia 5.1 – Estreia ingrata do espanhol em Alvalade. Nos 45 minutos que fez na partida, fez um passe para finalização, mas no passe esteve desastrado, com cinco falhados em 14 realizados (64%). 

Pedro Porro 5.0 – Jogo com altos e baixos do espanhol. Um passe de ruptura, três conduções aproximativas e três desarmes do lado positivo, mas completou apenas uma de quatro tentativas de drible e só completou 73% dos passes que fez.

Nuno Santos 4.8 – Jogo pálido do MVP do “clássico”. Nuno Santos destacou-se apenas no passe, com apenas um falhado em 14 e com uma ocasião flagrante criada. De resto esteve discreto e sofreu três desarmes.

Feddal 4.6 – O marroquino levou com Antony, sempre que este escapava a Vinagre – e não foram poucas vezes. E nunca soube lidar com o brasileiro. O central fez três intercepções e sete recuperações de posse, mas ganhou só um de sete duelos aéreos.

João Palhinha 4.3 – Uma sombra do que nos habituou, em grande medida por surgirem vários jogadores em bloco, de trás para a frente, no seu raio de acção. Bem nos duelos aéreos defensivos (dois ganhos em dois), desperdiçou uma ocasião flagrante de golo.

Destaques do Ajax

Antony 7.7 – Arrasador. Rúben Vinagre – não só – terá, certamente, pesadelos com o extremo brasileiro, que fez duas assistências, sete passes ofensivos valiosos, somou sete acções com bola na área contrária e ainda quatro desarmes.

Mazraoui 7.5 – Enorme jogo do lateral-direito, dono de uma assistência em três passes para finalização e quatro passes ofensivos valiosos. E nem precisou de se aplicar muito em termos defensivos.

Daley Blind 6.9 – Do outro lado esteve um lateral-esquerdo que somou quatro acções defensivas no meio-campo leonino, fez quatro desarmes, dois bloqueios de remate e anulou as investidas do Sporting pelo seu flanco.

Pedro Tudela
Pedro Tudela
Profissional freelancer com 19 anos de carreira no jornalismo desportivo, colaborou, entre outros media nacionais, com A Bola e o UEFA.com.