Como este artigo damos início a um exercício semelhante ao que realizámos o ano passado para o SL Benfica, numa fase em que os “encarnados” pareciam seriamente afectados pela queda do BES e se tornava necessário equacionar um investimento mais racional sem perder a ambição. O fecho de mercado viria a demonstrar um fulgor imprevisto nas “águias”, com as dispendiosas contratações de Samaris e Cristante.

Este ano o discurso de racionalidade é prometido de forma mais assumida pelo Benfica, sendo que fica a dúvida sobre que caminhos seguirão FC Porto e Sporting CP. Mas para lá do que a realidade vier a demonstrar, e tendo em conta que os três clubes (e em particular o Benfica) já fizeram contratações, decidimos projectar que reforços podiam os três candidatos ao título assegurar num cenário hipotético de investimento não superior a 25 milhões de euros, num total de 75 milhões entre três clubes que, no defeso 2014/15, investiram aproximadamente 100 milhões. O cenário por nós proposto representa assim um corte de 25%, colocando os “leões” em teórico pé de igualdade fruto da aposta ambiciosa que já sinalizaram ao trazerem Jorge Jesus para o banco “verde-e-branco”.

Assim, arrancamos exercício com o Sporting, guardando para os próximos dias o caso de “águias” e “dragões”. Identificando lacunas, olhando que jogadores têm contrato com o Sporting e equacionando aqueles que apresentam maiores probabilidades de sair de Alvalade, chegámos a um conjunto de opções que passam naturalmente por uma ida ao mercado que ainda assim não atingiria (recorrendo a valores de mercado Transfermarkt) o limite estabelecido, ficando-se pelos 20,9 milhões de euros e libertando “verba” para, por exemplo, reinvestir no seu “ADN”: a formação.

Eis os pressupostos assumidos neste exercício:

Saídas equacionadas: Rui Patrício, Jefferson, Cédric, William Carvalho, Nani, Carlos Mané, Diego Capel, André Carrillo, André Martins e Islam Slimani.

Posições a reforçar: guarda-redes, dois defesas-laterais, um defesa-central, um médio-defensivo, dois extremos, um “10” e dois pontas-de-lança.

Avançamos então para as escolhas GoalPoint neste cenário what if, por posição.

Guarda-redes: Paul Nardi (AS Monaco)
Paul Nardi
Paul Nardi, AS Monaco

Idade: 21
Peso: 77kg
Altura: 1,88m
Posição: GR
Valor de mercado (aprox.): 2 milhões de euros
Clube (Liga): AS Mónaco (Ligue1, França)

Jovem guardião francês de apenas 21 anos com uma assinalável estrutura física (tem 1,88m de altura), Nardi formou-se nas escolas do Nancy, sendo adquirido em 2014 pelo Mónaco por cerca de três milhões de euros. Permaneceu no clube formador por empréstimo.

A sua fisionomia habilita-o para uma afirmação rápida na posição, condizente com os predicados que lhe são atribuídos e que justificaram o investimento dos monegascos. Nardi é destemido fora dos postes e é muito móvel, sobretudo tendo em conta a sua estatura. É ainda um jogador muito comunicativo com a linha defensiva e tem um jogo de pés bastante razoável. Por se encontrar “tapado” no Mónaco, a mudança para o Alvalade poderia ser um passo interessante para um jovem que procura corresponder às expectativas nele depositadas e afinal… o Sporting apostou em Rui Patrício ainda com idade de júnior.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O REFORÇO DAS LATERAIS