Ao contrário de Adrien, William e Rui Patrício, João Mário não compareceu na apresentação do Sporting 2016/17, sem justificação oficial até ao momento em que publicamos esta análise.

João Mário
Clique para conferir também os 22 feitos inesquecíveis de João Mário e cia no Euro 2016

Em boa verdade este não é o primeiro capítulo de uma “novela” que começou ainda antes do EURO 2016, com o pai do jogador a proferir declarações polémicas que já prenunciavam perturbações. Mas deixemos o “corte e costura” para outros especialistas, quem nos acompanha sabe que a nossa especialidade é outra.

Propomos sim pesar, com a exactidão habitual, a real influência de João Mário no Sporting 15/16, para percebermos consigo o que está em jogo para os “leões” tendo em conta o que se poderá seguir: a transferência do jogador, o regresso de “cabeça limpa”, um retorno a “meio gás emocional” ou até um divórcio mais complicado para ambas as partes.

Uma “fábrica” de jogo

João Mário foi, para muitos, o melhor jogador da última Liga. Estatisticamente não foi bem assim, mas andou perto. O médio não foi, aliás, sequer o melhor “leão”, na hora de fazer contas à produção quantificada pelo GoalPoint Ratings mas, sem surpresa, integrou o pódio leonino.

Eis um resumo dos principais números de João Mário na Liga NOS 2015/16, acompanhados do seu ranking no plantel leonino, para cada uma das variáveis apresentadas:

Sporting CP | Qual o peso exacto de João Mário nos "leões"?
Clque para ampliar
  • João Mário foi o terceiro jogador mais utilizado por Jorge Jesus na Liga. À sua frente ficaram apenas Rui Patrício (2.999′) e Islam Slimani (2.887′).
  • Ninguém somou mais passes eficazes do que o campeão europeu, mais precisamente 1563.
  • Na hora de endossar passes perigosos para situações de potencial concretização apenas Bryan Ruiz totalizou mais lances do que o médio (62). O mesmo sucede com as assistências, com o costa-riquenho a somar 12. No entanto, se ponderarmos o aproveitamento destes passes, ambos equiparam-se, com vantagem para João Mário: 19,6% dos seus passes para ocasião terminaram em golo, contra 19,3% de Ruiz.
  • Foi o terceiro mais rematador da equipa com 52 disparos, 18 deles enquadrados com a baliza.
  • Os seis tentos que marcou colocam-no com o quinto que mais contribuiu para os 79 golos leoninos na Liga, mas ao medirmos a sua influência total na produção ofensiva leonina a parada sobe: entre golos marcados e assistências, João Mário esteve envolvido em 20,3% dos golos da equipa. Apenas Ruiz (25,3%) e o inevitável Slimani (38%) ficaram à sua frente neste capítulo.

No que toca ao GoalPoint Ratings João Mário ficou apenas atrás de Adrien Silva 6.26 e Bryan Ruiz 6.13, o que sentencia a conclusão que, já sendo óbvia, quantificamos devidamente nesta análise: o médio foi figura incontornável no vice-campeão nacional 2015/16 pelo que o seu regresso ao plantel em plena forma (física e emocional) é tão fundamental quão difícil será colmatar a sua eventual saída numa ida ao mercado. Classe (mensurável) como a do João… não aparece todos os dias.