O Sporting cumpriu a obrigação de líder da Liga e venceu em casa o Moreirense por 3-0. O triunfo do Benfica na sexta-feira colocava alguma pressão nos “leões” que, apesar de não terem criado muitas oportunidades durante boa parte do jogo – muito por culpa do bom jogo contrário -, acabaram por confiar na eficácia (e nos reforços) ofensiva para somar os três pontos.

Gelson em grande forma

O jogo começou com domínio sportinguista (sem expressão na grande área), embora tal se tenha vindo a esbater aos poucos perante o bom posicionamento do Moreirense no meio-campo e na defesa.

Os homens da casa apostaram no futebol pelas alas, com Bruno César (a lateral-esquerdo) muito activo – fez quatro cruzamentos de bola corrida no primeiro tempo, dois com eficácia – na canhota e Gelson Martins na direita. Ainda assim foi a aposta nos passes para as costas da defesa do Moreirense que acabaram por dar resultado. Num desses lances, aos 27 minutos, William serviu Gelson que, isolado, não falhou o 1-0.

O golo surgiu numa altura em que o Moreirense tinha dois remates (desenquadrados), contra um do Sporting, embora os “leões” registassem 63% de posse de bola. O Moreirense registava mesmo 79% de passes certos, valor alto para equipas mais pequenas em casa dos chamados “grandes”. Por seu turno, a equipa de Jorge Jesus mostrou mais uma vez neste arranque da época a eficácia ofensiva que lhe faltou em algumas fases da temporada transacta – já com o Porto marcou no segundo disparo que realizou, primeiro enquadrado.

Os 34 minutos Neto foi expulso por segundo amarelo, por falta dura sobre William, e ficou a ideia de que o jogo ficou decidido naquele momento. Antes, porém, um novo olhar à primeira parte, no qual Gelson Martins se destacou, pelo golo e pelo GoalPoint Ratings de 6.6, seguido de Schelotto de longe, com 5.9, e Jander, do Moreirense, com 5.8.

Reforços “abrem o livro”

O Moreirense como que desapareceu no arranque do segundo tempo, no qual o Sporting criou inúmeros lances de perigo. Aos 52 minutos ampliou para 2-0, por Joel Campbell, que se estreou a marcar pelo Sporting, de cabeça, após lançamento de Alan Ruiz, mais uma vez para as costas da defesa contrária.

Pouco depois, aos 56′, Bas Dost fazia o mesmo, numa jogada de insistência a empurrar para o fundo da baliza. Dois golos de rajada de dois reforços para a nova época.

Uma fase muito boa dos “leões” que nos primeiros 15 minutos da segunda parte realizaram cinco remates enquadrados, sendo que em toda a primeira metade haviam feito apenas dois.

Realce absoluto para a grande competência sportinguista na frente de ataque. Em dez remates, oito foram enquadrados. Os sete disparos realizados dentro da grande área demonstram a facilidade com que os “leões” conseguiram entrar na zona de decisão contrária, em combinações e trocas posicionais, mais do que através das faixas – no primeiro tempo o Sporting realizou 14 cruzamentos, na segunda metade apenas sete. E tudo com somente seis passes para ocasião.

Estava tudo decidido, dando tempo para as estreias de Markovic (60 minutos), Elias (que regressou a Alvalade aos 67) e André (78). No final, destaque para a boa qualidade de ambas as equipas no capítulo do passe. O Sporting terminou com 86% certos (89% na segunda parte), o Moreirense com 74%.

Adrien reassume preponderância

A eleição do melhor em campo em Alvalade foi decidida como que ao “sprint”. Gelson foi o melhor na primeira parte e, no final, mesmo tendo sido substituído aos 60 minutos, o extremo conseguiu ainda assim ficar no segundo lugar do GoalPoint Ratings desta partida, com 6.6, graças ao seu golo no único remate que realizou. Mas acertou também 93% dos 14 passes realizados, fez quatro cruzamentos e foi um quebra-cabeças pela direita.

Porém, o melhor foi Adrien Silva, com 6.7. O capitão foi preponderante, com um passe para ocasião, ganhou oito dos 12 duelos que disputou e realizou quatro desarmes, mais do que qualquer outro “leão”.

Outros números:

  • Alan Ruiz 6.5 – Para além da assistência ainda foi o mais rematador em campo (3) e não falhou um único passe dos 22 que efectuou (!)
  • Schelotto 6.4 – Voltou a mostrar que é a melhor opção para lateral-direito. Ganhou oito dos seus 11 duelos e ainda foi o mair driblador da partida (dois eficazes em quatro)
  • Bas Dost 6.3 – O golo que marcou ameniza uma exibição (ainda) pouco entrosada com o resto da equipa. Em 90 minutos tocou apenas 24 vezes na bola, as mesmas que Elias, que jogou 23 minutos
  • Cauê 6.1 – Fartou-se de trabalhar e somou um total de 12 acções defensivas, cinco delas desarmes, e foi o melhor da partida nesse aspecto.
GoalPoint |Sporting vs Moreirense | Liga NOS 2016/17 | Ratings
Clique para ampliar
GoalPoint |Sporting vs Moreirense | Liga NOS 2016/17 | MVP
Clique para ampliar
GoalPoint |Sporting vs Moreirense | Liga NOS 2016/17 | 45m
Clique para ampliar
GoalPoint |Sporting vs Moreirense | Liga NOS 2016/17 | 90m
Clique para ampliar