GoalPoint-Sporting-Rio-Ave-Liga-NOS-201920-Ratings
Clique para ampliar

OSporting sofreu o seu primeiro desaire da época no campeonato, e logo em casa, ao ser derrotado pelo Rio Ave por 2-3, num jogo que tão cedo não sairá da memória dos adeptos “leoninos”, pelas circunstâncias em que surgiram os golos dos vila-condenses. A equipa visitante marcou todos os seus tentos da marca de grande penalidade, com Sebastián Coates a fazer o papel de vilão por estar ligado às três faltas. O Rio Ave não realizou um único remate à baliza de Renan para além dos disparos da marca dos 11 metros.

Resumo 📺

O jogo explicado em números 📊

  • Começo em falso por parte do Sporting, que cometeu uma grande penalidade logo a abrir, numa falta de Coates sobre Taremi. Na conversão, Filipe Augusto não desperdiçou, abrindo o activo no primeiro remate da partida. Este foi, aliás, o único disparo durante os primeiros 15 minutos do desafio, durante os quais os “leões” demonstraram uma anormal baixa eficácia de passe (74%) e 56% de posse.

  • O golo do empate surgiu aos 20 minutos, por intermédio do inconfundível Bruno Fernandes, que “fuzilou” a baliza vila-condense ao aproveitar um mau alívio de Matheus Reis. Segundo golo no campeonato por parte do médio português, no segundo disparo da partida.
  • À meia-hora de jogo eram notórias as diferenças de estratégia nas duas equipas, com o Rio Ave a dar primazia ao corredor esquerdo, por onde tentava 57% dos seus ataques, enquanto o Sporting tratava de igual forma ambos os flancos (40% no lado canhoto, 37% no oposto). O Sporting chegou a esta fase do jogo já com 84% de eficácia na distribuição, mas ainda só com dois disparos, ambos por Bruno Fernandes.

  • Raphinha muito apagado ao longo da primeira parte. A cinco minutos do intervalo, o extremo brasileiro apresentava dez passes (só Luiz Phellype tinha menos na equipa leonina), apenas três duelos ganhos em nove disputados e ainda oito perdas de posse.
  • Intervalo Primeira parte com ascendente do Sporting, que reagiu bem à desvantagem madrugadora e partiu em busca de um resultado melhor, totalizando cinco disparos, três com boa direcção. O Rio Ave, por sua vez, pouco fez para além do golo, regressando aos balneários com somente um disparo enquadrado e um passe para finalização. O melhor no primeiro tempo foi Bruno Fernandes com um GoalPoint Rating de 6.4. Para além do golo marcado, num dos dois disparos enquadrados que fez, o internacional português tinha ainda oito passes progressivos certos, 40 acções com bola, duas recuperações de posse e um desarme.

  • A segunda parte abriu com novo golo do Sporting, desta vez de Luiz Phellype, para quem a bola sobrou depois de um desvio de Borevkovic. Os “leões” voltavam a marcar no primeiro remate que faziam numa parte, e logo na primeira acção com bola do brasileiro dentro da área contrária.

  • O Sporting acabou por baixar o ritmo de jogo com o golo da vantagem e dar espaço ao adversário. Volvidos 20 minutos desde o reatamento da partida, os “leões” tinham apenas 35% de posse e 70% de eficácia de passe. Os vila-condenses já levavam dois remates, ambos desenquadrados, e quase o dobro de passes do que o adversário (124-66).
  • Aos 70 minutos era Wendel quem liderava a lista dos jogadores com mais passes para finalização (dois). O médio brasileiro apresentava ainda a melhor eficácia de passe da sua equipa (94%) e tinha duas acções defensivas, pecando, no entanto, no capítulo dos duelos, com apenas duas disputas ganhas em sete.
  • O Rio Ave chegou ao golo da igualdade aos 83 minutos, numa nova grande penalidade cometida por Coates sobre Taremi. Desta vez foi Ronan chamado a marcar, e o avançado brasileiro não falhou, fazendo o 2-2 ao segundo remate enquadrado da sua equipa.

  • Aos 87 minutos, Acuña teve a possibilidade de devolver a vantagem ao Sporting mas acabou por rematar de cabeça ao poste. Na resposta, Coates acabou por fazer uma nova falta dentro da área, viu o cartão vermelho e permitiu a Filipe Augusto fazer o 3-2 final da marca de grande penalidade, no terceiro remate à baliza do Rio Ave nesta partida.

O melhor em campo GoalPoint👑

Noite inglória para Bruno Fernandes, que voltou a ser o melhor da partida numa noite de pouco brilho colectivo. O médio português não somou qualquer passe para finalização – coisa rara -, mas marcou um dos golos da sua equipa, no primeiro de três remates enquadrados (máximo da noite). Para além disso, arrancou um drible eficaz no último terço, contabilizou 11 passes progressivos certos e sofreu três faltas, uma delas em zona de perigo. No entanto, nem tudo foram aspectos positivos, uma vez que o médio também ficou no topo da lista em termos de passes falhados (12) e perdas de posse (18). Tudo somado, Bruno Fernandes terminou a partida com 6.9 nos GoalPoint Ratings.

Jogadores em foco 🔺🔻

  • Luciano Vietto 6.4 – Rematou três vezes, uma delas à baliza, e recuperou oito vezes a posse. Sofreu quatro faltas e bloqueou três passes.
  • Filipe Augusto 6.3 – Deu nas vistas com os dois golos de grande penalidade que marcou. Para além disso, contabilizou 95 acções com bola, o máximo da noite, e fez três desarmes e outras tantas intercepções.
  • Luiz Phellype 6.2 – Marcou um golo no único remate que fez ao longo da partida. Disputou dez duelos no ar, dos quais venceu cinco, e ainda contabilizou três tarefas defensivas.
  • Marcos Acuña 5.1 – Poderia ter feito o 3-2 para a sua equipa, mas acabou por desperdiçar uma ocasião flagrante (a única da partida). Dos seus cinco cruzamentos, apenas um foi eficaz. Somou sete acções defensivas, entre as quais três bloqueios de passe.
  • Coates 2.2 – O uruguaio ficou ligado às três grandes penalidades e acabou por ver um cartão vermelho. Pela positiva, ficaram as seis acções defensivas que realizou.