goalpoint-sporting-tondela-liga-nos-201617-ratings
Clique para ampliar
goalpoint-sporting-tondela-liga-nos-201617-mvp
Clique para ampliar
goalpoint-sporting-tondela-liga-nos-201617-45m
Clique para ampliar
goalpoint-sporting-tondela-liga-nos-201617-90m
Clique para ampliar

O Sporting voltou a desperdiçar pontos no regresso ao campeonato após jornada europeia, empatando em casa com o Tondela. A equipa visitante, que já havia empatado com o FC Porto, esteve a um passo de conseguir a vitória, acabando por sofrer o golo do empate no último minuto do desafio.

Embater no autocarro

Desde cedo se percebeu que o Sporting teria de batalhar arduamente para conseguir os três pontos: tal como fizera diante do FC Porto, o Tondela apresentou-se com o intuito de segurar com “unhas e dentes” o nulo, fechando as suas linhas e tentando aproveitar o contra-ataque para castigar o adversário.

À meia-hora de jogo, o domínio do Sporting era evidente, traduzindo-se numa posse de bola superior a 70% e numa eficácia de passe muito superior à do adversário (81% contra apenas 56%). No entanto, os “leões” levavam apenas três remates, um deles enquadrado, sendo o mais perigoso deles um tiro de Gelson Martins ao poste, logo a abrir a partida.

Ao intervalo era precisamente Gelson Martins, o “motor” do ataque leonino, quem sobressaía no campo, com um GoalPoint Rating de 6.1. Para além do remate efectuado, o camisola 77 liderava em número de duelos, 12, era o segundo jogador da sua equipa com mais toques na bola, 51, e apresentava uma eficácia de passe de 86%. Logo atrás, com 6.0, surgia Sebastián Coates, que somava dois desarmes e uma média de duelos ganhos de 89%.

Sul-americanos desatam o nó

Com as entradas de Bruno César e Luc Castaignos, para os lugares dos “apagados” Elias e André, respectivamente, Jorge Jesus procurou reanimar o ataque leonino. Mas estas alterações pouco ou nada mexeram na dinâmica ofensiva do Sporting, que, passados 25 minutos do reatamento da partida, ainda não tinha feito qualquer remate enquadrado.

À medida que os minutos passavam, a partida ficava mais aberta, e o Tondela, mais afoito. Foi assim, com menos surpresa do que seria de esperar, que a equipa visitante chegou ao golo, numa jogada rápida de ataque que terminou com o remate rasteiro de Jhon Murillo, jogador emprestado pelo Benfica, para o fundo das redes.

Com o golo sofrido, o Sporting foi “com tudo” à procura do empate, mas a história repetia-se: os “leões” subiam no terreno mais com o coração do que com a cabeça, deixando atrás algumas abertas que o Tondela tentava explorar como podiaFoi já no último minuto do desafio, altura do tradicional “chuveirinho” na área contrária, que o Sporting chegou ao golo do empate, apontado por Joel Campbell, que correspondeu da melhor forma a um cruzamento de Gelson Martins.

O golo tardio, a valer um ponto, acabou por servir de algum consolo ao Sporting, que, no entanto, só pode queixar-se de si: embora tenha tido muito mais posse de bola (75%) e tenha apresentado uma melhor qualidade na construção de jogo (que se reflecte numa eficácia de passe de 84%, muito superior à de 50% do Tondela), a equipa verde-e-branca acabou por fazer apenas dois remates enquadrados, tantos quanto os visitantes, que voltaram a roubar pontos a um dos “grandes”.

Gelson + 10

É cada vez mais significativo o impacto de Gelson Martins no ataque leonino. O jovem internacional português foi o homem em campo, com um GoalPoint Rating de 6.9, que premeia uma exibição muito positiva, coroada com a assistência para o golo. Para além disso, há que salientar o facto de Gelson ter igualado o máximo de dribles eficazes num jogo da Liga (seis) e de recuperado a posse em dez ocasiões.

William Carvalho também fez uma exibição competente, que se reflecte num rating de 6.4. O médio português foi o jogador do Sporting que mais toques e mais passes fez (um deles para ocasião), tendo ainda recuperado a bola dez vezes. Do lado do Tondela, e mesmo perante a fraca prestação ofensiva da equipa, o destaque vai para Jhon Murillo, o autor do golo, que terminou a partida com 6.1.

Outros números:

  • Coates 6.1 – Foi o jogador com mais desarmes (4) e ganhou 14 dos 16 duelos que disputou. No final foi para a frente e teve participação no lance do golo.
  • Rafael Amorim 5.8 – Não lhe peçam qualidade técnica, mas foi um gigante no centro da defesa do Tondela, contabilizando 8 alívios.
  • Elias 4.9 – Saiu ao intervalo sem ter ganho nenhum dos 4 duelos que disputou e com apenas uma acção defensiva.
  • Bas Dost 4.5 – Num jogo que devia ter sido ideal para ele, fez apenas 2 remates (nenhum deles enquadrado) e venceu apenas 1 dos seus 5 duelos aéreos.