O Sporting CP empatou em casa com o Tondela a dois golos, um resultado que certamente não estaria nas previsões de ninguém tendo em conta que a equipa do distrito de Viseu ocupa o último posto da classificação. Razões? A expulsão de Rui Patrício foi certamente factor decisivo mas não foi o único, num jogo em que o Sporting entrou morno e quase irreconhecível: os “leões” nunca ultrapassaram os 75% de eficácia de passe, um registo muito baixo para a média do líder, nem mesmo enquanto o jogo esteve 11 contra 11.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 18 - Sporting vs Tondela
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Foi um Sporting apático, quase irreconhecível aquele que se apresentou durante boa parte do encontro. João Mário foi um bom exemplo, ficando-se pelos 71% de passes certos (costuma andar sempre acima dos 85%) mas outros houve, num naufrágio exibicional ao qual escapam apenas Ruiz (dos seus pés sairam três os dez passes para ocasião dos da casa) e o jovem Gelson, que saído mais uma vez do banco para render o muito apagado William acabou por ser estatísticamente o melhor leão em campo. Para lá do resultado sobra outro pormenor estatísticamente imprevisto: o jogo terminou com as equipas empatadas em remates enquadrados à baliza, o que expressa bem não só quantos furos abaixo do normal se apresentou o Sporting (tremideira defensiva permanente na ausência de Paulo Oliveira) como também o mérito da postura de um Tondela que espreitou sempre o contra-taque atrevido e que até podia ter vendido o jogo no último lance de perigo antes do apito.

Nathan à solta e Gelson suplente de ouro

Os números de Nathan Júnior são impressionantes. O avançado do Tondela lutou como ninguém, venceu duelos individuais em números generosos e foi ainda determinante no resultado. Pelo caminho “sacou” nada menos do que seis faltas, uma delas a do penalty. Do lado dos leões, como já referido, Gelson e Ruiz escapam a um naufrágio que podia ter tido piores consequências. Rui Patrício somou a segunda expulsão da época (a primeira para a Liga Europa) e os centrais leoninos foram grandes responsáveis na fraca eficácia de passe leonina, com registos a rondar os 70% quando a média, num central de “grande” num jogo com estas características ultrapassa… os 85%. Melhores jogos virão, certamente, para os “leões”. Hoje não foi um deles.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS