O Sporting CP deixou bem vincada a vontade de lutar até ao fim pelo título da Liga NOS, através de uma exibição portentosa na recepção ao Vitória FC, que valeu uma goleada de 5-0. Os “leões” foram a melhor equipa desde o apito inicial, nunca sofreram grandes sustos e não fosse a grande exibição de Ricardo na baliza sadina e o resultado poderia ter assumido proporções bem maiores. À grande capacidade ofensiva o Sporting junto competência na altura do remate e simplicidade de processos, que colocaram muitas vezes os seus jogadores em óptimas condições para marcar. Do V. Setúbal viu-se pouco, muito pouco.

Sporting vs Vitória de Setúbal - Liga NOS 2015/16
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

A história do jogo faz-se do caudal ofensivo leonino desde os primeiros momentos e da facilidade com que as combinações colectivas construíram verdadeiras “autoestradas” rumo à baliza forasteira. Tudo simples, rápido, objectivo, o que ajudou sobremaneira a números finais gordos. Vinte e um remates, 12 deles enquadrados (a dois do recorde de 14, pertença do FC Porto) são por si só o espelho do que se passou em campo – o Vitória somou apenas três, todos desenquadrados. Desses 21 disparos, 14 foram realizados de dentro da grande área. E ainda houve 18 passes para ocasião por parte dos da casa, contra
dois dos visitantes, Mais fácil era pedir muito…

O primeiro golo só apareceu aos 25 minutos, por Gelson, a concluir com um belo chapéu. Teo Gutiérrez (37′) ampliou, Gelson bisou aos 55 minutos e Bryan Ruiz (71′, 92′) fechou a contagem numa noite perfeita e com grande ambiente em Alvalade.

Ruiz do outro mundo

O costa-riquenho Bryan Ruiz é uma das principais figuras do Sporting 2015/16, já o sabíamos, mas frente ao V. Setúbal voltou a mostrar que está patamares acima dos demais. Trabalha bastante para o colectivo, corre, remata, constrói e é dono de uma técnica individual apurada. Este sábado somou 8.8 no Goalpoint Ratings (GPR), um valor muito alto mas que se justifica por tudo o que fez. Marcou dois golos em três remates, dois deles enquadrados, fez uma assistência e três passes para ocasião; esteve certo no passe (84,4% em 45 entregas), ganhou seis de dez duelos individuais e ainda recuperou sete bolas. Difícil pedir mais.

Este é daqueles jogos em que quem perdeu pouco ou nada ofereceu ao jogo. Ricardo, com 5.5 GPR, foi excepção, com seis defesas. Por isso, e olhando de novo para o Sporting, há a destacar Gelson Martins, que somou espantosos 8.5 GPR, pelos dois golos que marcou em três remates, dois enquadrados, e dois passes para ocasião. Adrien vem logo a seguir, com 7.2. O médio viu cartão amarelo que o tira do jogo em Braga, na última jornada, mas despediu-se da Liga NOS com três passes para ocasião, uma assistência, 11 duelos ganhos em 21 e a influência do costume na manobra da equipa leonina.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS