Tiba vs Adrien: “Gémeos falsos” em confronto

Braga e Sporting vão defrontar-se domingo no Minho e o GoalPoint olhou para as características dos dois "cérebros" das equipas em duelo.

Clique na infografia para ler em detalhe (fotos: J. Trindade infografia: GoalPoint)
Clique na infografia para ler em detalhe (fotos: J. Trindade infografia: GoalPoint)

SC Braga e Sporting CP têm encontro marcado para o próximo domingo, em jogo a contar para a 16ª jornada da Liga portuguesa. E frente-a-frente estarão dois médios com uma influência grande na manobra das duas formações: Pedro Tiba e Adrien Silva.

Adrien já desde 2013/14 que é um dos pilares do jogo ofensivo e defensivo do Sporting, passando pelos seus pés grande parte do futebol leonino. Pedro Tiba estava, na época passada, no Vitória de Setúbal, onde desempenhava um papel um pouco diferente, de médio-ofensivo. Hoje é um “número 8” no Braga, um médio-centro que assume a construção de jogo da equipa de Sérgio Conceição, com competência e qualidade, ao ponto de ter já sido chamado à selecção nacional – apesar de não ter sido utilizado por Paulo Bento, o então seleccionador.

As duas equipas têm, assim, dois jogadores fundamentais para a mesma posição no “miolo”, mas futebolistas diferentes, quais gémeos falsos, que cumprem as suas missões com armas distintas. Tiba mantém algumas das características que apresentou no V. Setúbal. Demonstra uma eficácia de drible (39,3%) bem superior à de Adrien (21,6%), apesar de menos tentativas (1,9 para 3,4). O bracarense cria mais ocasiões de golo por jogo (1,4) do que Adrien (0,7), embora o “leão” faça mais e melhores passes em zonas mais adiantadas do terreno (15,2 por jogo com 80,3% de acerto, para 13,5 e 68% do bracarense), e Adrien soma mais uma assistência (duas contra uma). Tiba remata mais, e com muito melhor percentagem de enquadramento (54,8% contra 35,7%), mas a verdade é que Adrien já tem três golos, contra um de Tiba (os penalties têm peso neste valor).

As diferenças saltam à vista e acentuam-se noutros vectores. Adrien tem melhor qualidade global de passe, embora sem uma diferença grande no acerto (Adrien 84,4%, Tiba 82,1%), vence mais duelos individuais (54,1% vs 44%), mas paradoxalmente, Tiba apresenta melhores números no momento defensivo: 1,7 intercepções por jogo (1,2 de Adrien), 3,3 desarmes por jogo (2,3 do “leão”), com uma eficácia de 77,6%, (71,4% do sportinguista) e soma menos perdas de bola (12,2 por jogo contra 13,9%).

Será interessante ver como este duelo de meio-campo, dois estilos contrastantes em confronto para homens com missão semelhante, irá ter influência num embate que promete ser escaldante na Pedreira.