Tim Howard “dinamita” recorde de defesas

O guarda-redes dos Estados Unidos fez aquela que é, provavelmente, a melhor exibição de um guardião neste Mundial, com 13 defesas que adiaram a vitória da Bélgica.

A equipa orientada por Jürgen Klinsmann perdeu frente à Bélgica e diz adeus ao Mundial do Brasil, mas caiu de pé. De pé, mas graças às mãos de Tim Howard. O guarda-redes do Everton efectuou uma exibição memorável num jogo que foi, também ele, talvez o melhor da competição até ao momento.

Howard efectuou 13 defesas nesta partida – que teve prolongamento, diga-se -, e bateu largamente o anterior máximo, que pertencia ao argelino Raïs M’Bolhi, com oito paradas frente à Alemanha, também nos oitavos-de-final. Aliás, o número máximo de defesas nas partidas no Brasil havia rondado as seis por jogo, no global da competição. O registo final de defesas de Tim Howard fixou-se assim em 21, mais uma que Vincent Enyeama, da Nigéria, mais duas que Diego Benaglio, da Suíça, e mais três que M’Bolhi. Todos já afastados da prova. Não espanta portanto as duas eleições de Howard para homem do jogo, frente aos belgas e com… Portugal.

Clique na imagem para ler em detalhe (foto: WC/Philipp Zachl / Infografia: GoalPoint)
Clique na imagem para ler em detalhe (foto: WC/Philipp Zachl / Infografia: GoalPoint)

Comparando com duas das figuras das balizas neste mundial, o mexicano Guillermo Ochoa e o costa-riquenho Keylor Navas (este ainda no Brasil), de notar que Howard tem mais golos sofridos (seis, contra dois de Navas e três de Ochoa), mais defesas (21, contra 13 de Navas e nove de Ochoa) e apresenta um registo idêntico no que toca a socar e segurar bolas: seis de cada tipo de defesa. Os outros dois guardiões são mais seguros neste capítulo, com 11 bolas agarradas cada e três afastadas a soco.