Este poderá ser o ano da Inglaterra. É esta a esperança que começa a crescer em terras de sua Majestade. E não é para menos. Num Mundial em que a equipa britânica entrou sem grandes expectativas ou pressão, a verdade é que os homens de Gareth Southgate têm surpreendido tudo e todos, pela originalidade táctica, pela sua eficácia, pelos golos que a equipa marca. E são já muitos. Inglaterra chega a estas meias-finais com 11 golos marcados no Mundial da Rússia, igualando o seu registo máximo de tentos, fixado em 1966, quando conquistou o ceptro.

GoalPoint-Facto-Dia-07-Jul-Inglaterra-Mundial-2018-infog
Clique para ampliar

Com o grande contributo dos seis golos de Harry Kane, e dos oito registado na sequência de lances de bola parada, Inglaterra vai trilhando o seu caminho com consistência e ainda não surgiu uma equipa que conseguisse propriamente lidar com o esquema táctico inglês. Resta saber se, agora, nas meias-finais, a equipa consegue manter a bitola e apurar-se para a final, pela primeira vez desde… 1966.

Este sábado, outros factos merecem destaque:

  • No triunfo frente à Suécia, Dele Alli tornou-se no sexto jogador diferente a marcar por Inglaterra neste Mundial, um máximo apenas igualado pelo país nos Mundiais de 1954, 1998 e 2002.
  • O jogador do Tottenham tornou-se, igualmente, no segundo jogador mais jovem a marcar por Inglaterra num Mundial, com 22 anos e 87 dias, atrás apenas de Michael Owen (18 anos e 190 dias, ante a Roménia, em 1998).

  • Na derrota ante a Croácia, Denis Cheryshev marcou quatro golos pela Rússia neste Mundial, e apenas Oleg Salenko (seis, em 1994) fez mais numa só edição do torneio pelo país (incluindo a URSS).
  • Andrej Kramaric foi o sétimo jogador a marcar pela Croácia na prova, e apenas a Bélgica (com nove) tem mais marcadores diferentes (sem contar com autogolos).
  • O golo de Mário Fernandes aos 115 minutos é o mais tardio que a Rússia marcou num Mundial (incluindo a URSS).

Confira todos os ratings e análise do Suécia – Inglaterra neste link!