O Super Bowl 2019, a grande final do Futebol Americano, está próxima. O nosso parceiro Opta enviou-nos um “presente” (um pacote de dados), desafiando-nos a sair da nossa zona de conforto e darmos conta de tudo o que precisa saber sobre o evento que rivaliza com as grandes finais do “nosso” futebol. E nós aceitámos o desafio.

Passamos então ao que interessa ao leitor, seja ele um atento seguidor da modalidade ou um curioso que pondera acompanhar, pela primeira vez, a grande decisão do desporto cuja nomenclatura temos natural dificuldade em compreender.

O Evento

A 53ª final do Super Bowl realiza-se na noite de 3 de Fevereiro de 2019, no novíssimo Mercedes Benz Stadium, em Atlanta, o estádio onde recentemente o Atlanta United venceu, pela primeira vez, a Liga norte-americana de futebol (MLS). O recinto justifica em si imediata curiosidade, pela arquitectura, acabamento e funcionalidade, que tornam obsoletos muitos dos estádios de futebol que ainda encaramos como modernos.

Mercedez-Benz-Stadium-700
O Mercedez Benz Stadium (via https://mercedesbenzstadium.com)

 

A “arena” tem uma capacidade standard de 71.000 lugares sentados, mas pode expandir-se até aos 75.000, algo que irá certamente suceder para esta grande final. A equipa da “casa”, os Atlanta Falcons, não conseguiram repetir a caminhada até à final que protagonizaram em 2017, mas não será por isso que o estádio (e toda a cidade de Atlanta) estará menos festivo na hora de receber o maior evento desportivo norte-americano.

Como acompanhar a final

Supondo que não tem viagem e bilhetes marcados para o Super Bowl, resta-lhe acompanhar a grande final pela televisão, o que até pode ser um serão (e início de madrugada) bem passado com amigos.

NFL_Superbowl
A Eleven Sports tem o exclusivo da transmissão do Super Bowl 2019 para Portugal

 

A grande final da NFL foi durante anos evento garantido na grelha da Sport TV, juntando os interessados em redor de uma emissão que vivia, com boa-disposição, em redor da leitura dos “émeles” (citando o comentador habitual da altura) dos fãs da NFL, mas, com a chegada da Eleven Sports, o novo canal de desporto conquistou o exclusivo da modalidade e transmitirá o grande evento, cuja emissão terá início ao final da noite de domingo, dia 3 de Fevereiro (23h30).

Motivos de interesse… para lá do futebol

Dois temas aumentam o interesse no Super Bowl e que vão para lá do jogo propriamente dito: o espectáculo de intervalo e os anúncios televisivos produzidos pelas grandes marcas que patrocinam os (muitos) tempos “mortos” que a final proporciona.

Infelizmente, e a não ser que beneficie da transmissão original da CBS (o canal com o exclusivo nos EUA), não poderá apreciar o “espectáculo publicitário” oferecido, mas aqui fica um “cheirinho”, bem como a certeza que todos os “spots” serão disponibilizados no youtube, como é hábito, pelas marcas.

No que toca ao espectáculo de intervalo, os holofotes recaem este ano sobre os Maroon 5, que trarão alguns convidados. O “show” é aguardado com a habitual expectativa, sobretudo por parte de quem já conhece o espectáculo dentro do espectáculo que costuma ser oferecido pelos principais artistas da “pop”, como ilustra o seguinte exemplo de Lady Gaga, aquando do Super Bowl 2017.

Os finalistas reencontram-se com a História

A 53ª final do Super Bowl será disputada pelos New England Patriots e os Los Angeles Rams, duas equipas com “história”, na prova e entre si, com os Patriots em grande destaque desde a viragem de século. Em jeito de resumo, para o leitor mais alheado do fenómeno, aqui vai um paralelismo rápido: os Patriots estão actualmente para a final do Super Bowl mais ou menos como o Real Madrid está para a Champions League.

A equipa liderada por Tom Brady ainda não é a mais titulada (está a um título de igualar os seis troféus dos Pittsburg Steelers) mas já é, de longe, a equipa com mais presenças na final, com dez. Esta será, aliás, a terceira presença consecutiva dos Patriots na final, um feito alcançado apenas por outras duas formações. Caso vençam, os New England arrecadam três das suas seis vitórias em apenas quatro anos, sendo que antes mesmo de confirmarem esse cenário, já entram em campo com o treinador mais titulado (Bill Belichick, 5) e o jogador mais vezes eleito como MVP (Brady, 4).

Já os Los Angeles Rams apresentam-se pela quarta vez numa final, mas apenas por uma vez saíram vencedores, na já longínqua edição de 2000, quando a equipa residia em Saint Louis, uma das três cidades onde já jogaram (Cleveland é a terceira, sendo o período actual o segundo “ciclo” em Los Angeles).

Tendo em conta o desequilíbrio patente no currículo, está bom de ver a quem cabe o papel de favorito (Patriots) e de “underdog” (Rams). Curiosamente o “hype” em redor da final passa muito pela curiosidade histórica de a última vez em que as equipas se cruzaram (2002) ter dado lugar à primeira vitória dos Patriots, pela primeira vez sob o comando do já “lendário” quarterback Tom Brady. O acontecimento teve lugar num momento em que os Rams eram apelidados de “the greatest show on turf” e constituiu, ao mesmo tempo, uma surpresa e uma “troca de destinos”: os New England embalaram, os Rams esmoreceram, até hoje.

Não é preciso dizer mais nada acerca da vontade que os Rams terão em corrigir a História, terminando um reinado cujo início “apadrinharam”.

As estatísticas

Nenhum dos finalistas terminou a fase regular na liderança da sua conferência, mas ambas ficaram bem perto, fruto, sobretudo, da qualidade do seu jogo de ataque, mais do que da eficácia defensiva, um indicador que promete uma final interessante.

Eis o “face-a-face”ofensivo dos finalistas:

[vc_table vc_table_theme=”classic”][align-center;c#ffffff;bg#000000]PATRIOTS,[align-center;c#ffffff;bg#000000]%C3%89POCA%20REGULAR,[align-center;c#ffffff;bg#000000]RAMS|[align-center]11-5,[align-center;b]Vit%C3%B3rias%20-%20Derrotas,[align-center;b;bg#eeee22]13-3|[align-center]27%2C3,[align-center;b]Pontos%20p%2F%20jogo,[align-center;b;bg#eeee22]32%2C7|[align-center]394%2C4,[align-center;b]Jardas%20p%2F%20jogo,[align-center;bg#eeee22;b]421%2C1|[align-center]5%2C9,[align-center;b]Jardas%20p%2F%20jogada,[align-center;bg#eeee22;b]6%2C4|[align-center]18,[align-center;b]Turnovers,[align-center;bg#eeee22;b]19|[align-center]365,[align-center;b]First%20Downs,[align-center;bg#eeee22;b]401|[align-center;bg#606060],[align-center;b;bg#606060;c#ffffff]ATAQUE%20EM%20PASSE,[align-center;bg#606060]|[align-center;bg#eeee22;b]378,[align-center;b]Finaliza%C3%A7%C3%B5es,[align-center]368|[align-center;bg#eeee22;b]574,[align-center;b]Tentativas,[align-center]568|[align-center;bg#eeee22;b]65.9%25,[align-center;b]%25%20Finaliza%C3%A7%C3%B5es,[align-center]64.8%25|[align-center]4258,[align-center;b]Jardas,[align-center;bg#eeee22;b]4507|[align-center]7%2C7,[align-center;b]Jardas%2FTentativa,[align-center;bg#eeee22;b]8%2C3|[align-center]11,[align-center;b]Intercep%C3%A7%C3%B5es,[align-center;bg#eeee22;b]12|[align-center;bg#eeee22;b]21,[align-center;b]Sacks%20permitidos,[align-center]33|[align-center;bg#606060;c#ffffff],[align-center;b;bg#606060;c#ffffff]ATAQUE%20EM%20RUSH,[align-center;bg#606060;c#ffffff]|[align-center;bg#eeee22;b]478,[align-center;b]Tentativas,[align-center]459|[align-center]2037,[align-center;b]Jardas,[align-center;bg#eeee22;b]2231|[align-center]4.3,[align-center;b]Jardas%2FTentativa,[align-center;bg#eeee22;b]4.9|[align-center]18,[align-center;b]Touchdowns,[align-center;bg#eeee22;b]23[/vc_table]

(fonte: Opta)

E o “reverso da medalha” defensivo:

[vc_table vc_table_theme=”classic”][align-center;c#ffffff;bg#000000]PATRIOTS,[align-center;c#ffffff;bg#000000]%C3%89POCA%20REGULAR,[align-center;c#ffffff;bg#000000]RAMS|[align-center;bg#eeee22;b]20.3,[align-center;b]Pts%20permitidos%20p%2F%20jg,[align-center;bg#ffffff]24.0|[align-center]359%2C1,[align-center;b]Jardas%20permitidas%20p%2F%20jg,[align-center;bg#eeee22;b]258%2C6|[align-center;bg#eeee22;b]5%2C7,[align-center;b]Jardas%20permitidas%20p%2F%20jogada,[align-center;bg#ffffff]6%2C0|[align-center]28,[align-center;b]Takeaways,[align-center;bg#eeee22;b]30|[align-center;bg#eeee22;b]322,[align-center;b]First%20Downs%20permitidos,[align-center;bg#eeee22;b]322|[align-center;bg#606060],[align-center;b;bg#606060;c#ffffff]DEFESA%20VS%20AT.%20EM%20PASSE,[align-center;bg#606060]|[align-center;bg#eeee22;b]370,[align-center;b]Finaliza%C3%A7%C3%B5es%20permitidas,[align-center;bg#eeee22;b]347|[align-center;bg#eeee22;b]605,[align-center;b]Tentativas%20permitidas,[align-center;bg#eeee22;b]533|[align-center;bg#eeee22;b]61%2C2%25,[align-center;b]%25%20Finaliza%C3%A7%C3%B5es%20permitidas,[align-center]65%2C1%25|[align-center]3942,[align-center;b]Jardas%20permitidas,[align-center;bg#eeee22;b]3780|[align-center;bg#eeee22;b]6%2C9,[align-center;b]Jardas%20permitidas%20p%2F%20tentativa,[align-center;bg#ffffff]7%2C7|[align-center;bg#eeee22;b]18,[align-center;b]Intercep%C3%A7%C3%B5es,[align-center;bg#eeee22;b]18|[align-center;bg#ffffff]30,[align-center;b]Sacks,[align-center;bg#eeee22;b]41|[align-center;bg#606060;c#ffffff],[align-center;b;bg#606060;c#ffffff]DEFESA%20VS%20AT.%20EM%20RUSH,[align-center;bg#606060;c#ffffff]|[align-center;bg#eeee22;b]367,[align-center;b]Tentativas,[align-center;bg#ffffff]386|[align-center;bg#eeee22;b]1803,[align-center;b]Jardas%20permitidas,[align-center;bg#ffffff]1957|[align-center;bg#eeee22;b]4.9,[align-center;b]Jardas%20permitidas%20p%2F%20tentativa,[align-center;bg#ffffff]5.1|[align-center;bg#eeee22;b]7,[align-center;b]Touchdowns%20permitidos,[align-center;bg#ffffff]12[/vc_table]

(fonte: Opta)

Tom Brady vs. Jared Goff, duelo de gerações

Sendo o Futebol Americano um desporto colectivo, a verdade é que o sucesso das equipas depende em grande parte da qualidade da figura do quarterback, o homem que tem por missão comandar o jogo ofensivo, qual maestro. É assim natural que sejam os “QB” aqueles que mais facilmente ascendem ao estatuto de “lenda”, quando assim o justificam.

Goff-Brady
17 anos separam os “maestros”, Goff e Brady, a maior diferença de idades de sempre entre “QBs” num Super Bowl

 

Neste capítulo, o desequilíbrio é notório. Do lado dos Patriots apresenta-se Tom Brady, de 41 anos e visto por muitos como o maior de todos os tempos. Do outro Jared Goff, de apenas 24 anos e que chegou à NFL há apenas três. Brady já carrega quatro títulos de MVP no Super Bowl, Goff pisará a final pela primeira vez.

No entanto, o jovem Goff não tem motivos para avançar com medo para a final. O quarterback dos Rams ofereceu mais touchdowns (32 vs 29) e mais jardas (4688 vs 4355) que o veterano, destacando apenas duas das variáveis mais expressivas na posição. Até nas populares “Fantasy Leagues”, Goff revelou-se mais valioso do que homem que viu ascender ao estatuto de mito enquanto crescia… e assistia a momentos destes, o último (e para alguns o mais épico) em 2017, aos 39 anos.

Aquele que mais brilhar estará muito próximo de definir o vencedor da grande final do próximo domingo.

Os dados estão lançados.
Se chegou até aqui é porque ou já é um fã ou ficou com vontade de assistir ao Super Bowl. Seja qual for o caso…. bom jogo e divirta-se!

Este artigo foi parcialmente editado com base em dados estatísticos gentilmente cedidos pela Opta.