Turquia 🆚 País de Gales | Rumo aos “oitavos” à boleia de Bale

-

No festival do desacerto, ganhou quem errou menos – apesar “daquele” penálti de Gareth Bale. O astro dos quadros do Real Madrid serviu de bandeja a Ramsey e Roberts os golos que deram a primeira vitória do torneio ao emblema galês, e quiçá o primeiro carimbo no bilhete para a próxima ronda da competição, deixando os turcos praticamente arredados.

GoalPoint-Turkey-Wales-EURO-2020-Ratings
Clique para ampliar

Turcos a pressionar, sociedade Bale-Ramsey a funcionar

A primeira parte foi entretida e relativamente equilibrada, ainda que com ligeiro ascendente da Turquia que ganhou (ainda que por margens curtas) em praticamente todos os aspectos estatísticos (mais remates, mais acções na área adversária, mais cantos, maior eficácia de passe e posse de bola)… menos no que mais importa: os golos. Aí veio ao de cima o génio de Bale e a frieza de Ramsey na hora da verdade.

Mais do mesmo no segundo tempo, com os turcos a superiorizarem-se novamente em quase todos os parâmetros, perdendo para o adversário apenas nas acções defensivas no meio-campo adversário (quatro para sete) e nos remates enquadrados (seis contra sete, dos quais o último a significar o golo que selou o resultado no último suspiro do encontro).

[ Os turcos parece que estiveram a aquecer com trocas de bola na defesa ]

GoalPoint-Turkey-Wales-EURO-2020-pass-network
Clique para ampliar

O MVP GoalPoint👑

Ficou a impressão que, pelo menos durante 90 minutos, regressou o Bale de outrora. Exibição absolutamente impressionante do esquerdino, cuja única pecha esteve mesmo no momento de atirar a contar: foram cinco remates, um dos quais a grande penalidade (ganha por si) assinalada de pronto por Artur Soares Dias e confirmada pelo VAR João Pinheiro, que não levaram a melhor direcção. Em todas as restantes acções, todavia, foi incrível, criando cinco ocasiões flagrantes de golo na totalidade dos passes para finalização, três deles passes de ruptura (dois dos quais resultaram nas assistências para os golos da sua equipa). Fez ainda nove conduções aproximativas que se traduzem no belíssimo Goalpoint Rating de 8.9.

Outros GoalPoint Ratings 🔺🔻

Destaques da Turquia:

Çakir 7.2 – O guardião turco fez cinco defesas de enorme grau de dificuldade, todas a remates desferidos dentro da sua grande área. Dois dos seus pontapés de baliza chegaram a companheiros de equipa no último terço do terreno, o que é raro.

Soyuncu 6.4 – Um esteio no centro da defesa, sendo o jogador em campo com mais passes efectuados (71) e acertados (65) e o turco com mais duelos aéreos defensivos ganhos e desarmes efectuados com sucesso (quatro em ambos os casos).

Yilmaz 4.6 – A grande desilusão da partida – e porventura o espelho da participação turca até aqui. Fez seis remates (número máximo do encontro), mas apenas um enquadrado com a baliza, falhou uma ocasião flagrante e conseguiu ser o mais faltoso da equipa a par de Çalhanoglu (quatro infracções).

Destaques do País de Gales:

Ramsey 7.8 – Muito rematador (quatro tiros, três deles enquadrados com a baliza adversária), desbloqueou o resultado e fez ainda cinco passes valiosos, dois deles para finalização, somando ainda nove acções com bola na área contrária e 11 recuperações de posse. No negativo, as duas flagrantes desperdiçadas.

Ward 6.8 – Menos interventivo que o homólogo turco, respondeu sempre presente quando foi chamado à acção. Fez igualmente cinco intervenções, três das quais na sua área, mostrando também assertividade numa saída pelo ar.

James 6.8 – Sempre ligado à corrente, totalizou quatro passes para finalização e seis cruzamentos, item no qual foi o recordista. Bem sucedido também em três tentativas de drible (outro máximo no jogo).