O Sporting não foi além de um empate a zero em Guimarães (onde o Porto perdeu e o Benfica venceu), num jogo mais “lutado” que bem jogado, como já era aliás de esperar. No meio da luta perdeu-se Slimani, nitidamente a “medo” (e o seu rating de produção comprova-o) e com ele perdeu-se também a eficácia ofensiva de um “leão” produziu suficientes ocasiões para vencer, sobretudo na segunda parte, já que na primeira os “conquistadores” chegaram a ameaçar também as redes de Patrício.

Liga NOS 2015/16 - Jornada 24 - Vitória vs Sporting
Clique na infografia para ampliar (infografia: GoalPoint)

Os 134 duelos, 39 faltas e nove amarelos (um duplo) ilustram bem o que foi o jogo: um combate aguerrido, de princípio ao fim. Pelo meio remates q.b., sobretudo para os leões, com uma particularidade: todos os remates enquadrados “verde-e-brancos” constituiram ocasiões flagrantes de golo.

Já falámos do desperdício leonino. Agora damos-lhe expressão estatística. O Sporting falhou seis ocasiões flagrantes de golo (Slimani e Ruiz duas, William e Coates uma), um novo recorde da Liga NOS 15/16 e que explica, a meias com o acerto defensivo do Vitória (sobretudo do seu guarda-redes) o nulo que castiga um “leão” que, apesar da gestão de Jesus (Adrien, Jefferson e João Pereira de fora) foi à “cidade berço” disposto a manter a vantagem de três pontos sobre o Benfica. Objectivo falhado, Liga ao rubro na próxima jornada, mas o “leão” apenas se pode queixar da sua ineficácia visto que produziu o suficiente para vencer o encontro.

Schelotto de um lado, Silva/Dalbert do outro

Alguns ratings elevados em Guimarães, apesar da qualidade de jogo, talvez porque se trabalhou muito, o que foi sempre mais importante do que jogar bem. Do lado vimaranense os destaques vão para o (habitual) Octávio, sempre perigoso e líder nos contra-ataques caseiros até ser sacrificado após a expulsão de Josué. Com ele Dalbert e o “miúdo” Miguel Silva, intransponível (6 defesas).

 

Do lado do Sporting João Mário foi mesmo “patrão” na ausência de Adrien, mas o rating mais elevado foi para Schelotto, o abnegado italo-argentino que quase perdeu a cabeça durante a primeira parte mas lá se acalmou, terminando o jogo com números que “casam” com a sua fisonomia: um “mouro” de trabalho que tudo fez no vaivém do seu corredor. Destaque negativo para Slimani, que para lá do desperdício não foi o mesmo na disputa de duelos individuais, claramente receoso face ao risco de ver o amarelo que o impediria de marcar presença no dérbi que ninguém quererá perder, já na próxima jornada.

Nota: Os GoalPoint Ratings resultam de um algoritmo proprietário desenvolvido pela GoalPoint que pondera exclusivamente o desempenho estatístico dos jogadores ao longo da partida, sem intervenção humana. Clique para saber mais.

> NA PRÓXIMA PÁGINA: O JOGO COMO O VIMOS